Capa

Artigos

Nahum Sirotsky, 89. Faltaram 31 anos. Por Carlos Brickmann

Conheci um judeu firmemente judeu, mas não religioso; um sionista convicto, sem radicalismos; com ideologia, mas jamais permitindo que a ideologia perturbasse a visão clara e minuciosa dos fatos. Seu caso de amor com Israel e com o Brasil - sem os exageros da tribo e da pátria...

03.12.2015  |  279 visualizações
Artigo publicado originalmente na Newsletter diária da Confederação Israelita do Brasil -Conib, edição de 3 de dezembro de 2015


Primeiro conheci o Nahum de nome. Era o craque da Senhor, revista que, quando garoto, eu lia com avidez. O craque que levou para sua revista monstros como Jorge Amado, Guimarães Rosa, Vinícius, Carlos Scliar, Paulo Francis (seria seu sucessor no comando da revista); que revelou ao mundo o talento de Bea Feitler, que se consagraria mais tarde nos Estados Unidos como artista plástica de prestígio internacional.

Era o craque da Manchete, que aceitou o desafio de Adolfo Bloch para criar uma revista que concorresse com O Cruzeiro, campeã de circulação que tirava 700 mil exemplares na época em que o Brasil tinha menos de um terço da população atual; e carro chefe do maior império de comunicações do país, os Diários Associados, do poderosíssimo e genial Assis Chateaubriand. Loucura, claro; mas Nahum Sirotsky era o louco talhado para isso. Ele sabia escolher: na sua equipe, Carlos Drummond de Andrade, Henrique Pongetti, Fernando Sabino, Rubem Braga, Nélson Rodrigues.

Manchete, pouco tempo depois, alcançava e batia O Cruzeiro.

O Nahum foi meu ídolo jornalístico à distância.

Fui conhecê-lo pessoalmente muitos anos depois (aliás, mais telefonicamente do que de outro jeito), quando ele se mudou para Israel como correspondente do Jornal do Brasil e eu o queria também no Jornal da Tarde. Conseguimos harmonizar tudo - só que o Estadão rompeu o monopólio que o JT queria de seu trabalho em São Paulo. Ele faria matérias diferentes para o Rio, assinando seu nome, e para Estadão e JT, como Nélson Silva. Um trabalho gigantesco, mas de gigantesca qualidade. Tão bom que, quando deixei o JT, tentei levá-lo para a Visão, que ele tinha fundado e dirigido; mas a revista na época era quinzenal, e duas matérias por mês era muito pouco para aquele tsunami dos teclados.

Contato à distância, na maior parte das vezes. Mas um contato notavelmente enriquecedor e produtivo. Fui conhecendo aos poucos sua vida, sua carreira, seu pensamento - eventualmente, um ou outro de seus problemas, dos quais evitava falar. Conheci um judeu firmemente judeu, mas não religioso; um sionista convicto, sem radicalismos; com ideologia, mas jamais permitindo que a ideologia perturbasse a visão clara e minuciosa dos fatos. Seu caso de amor com Israel e com o Brasil - sem os exageros da tribo e da pátria. Como Samuel Johnson, Nahum Sirotsky sabia que o patriotismo é com frequência o último refúgio dos canalhas.

Nahum teve na vida uma oportunidade rara (e soube aproveitá-la): cobriu jornalisticamente a Assembleia Geral da ONU que partilhou a Península Palestina e levou à criação de Israel. Seu mundo estava ali: um brasileiro comandava a Assembleia Geral que levou ao Estado judeu. Nahum viu Israel ser criado; como assessor de embaixadores brasileiros, entre eles Roberto Campos, acompanhou a dança diplomática permanente em torno da paz no Oriente Médio, da Guerra da Independência, da Guerra dos Seis Dias; assistiu à consolidação do Estado; e lá foi morar, para ficar próximo de seu filho Yossef, de seus netos, da irmã Sônia, escrevendo para o Brasil. Lá, com quase 80 anos, ficou amigo de meu filho Rafael, então com 20, que estudou um ano em Israel, no auge da intifada, e passava os fins de semana na acolhedora casa do Tio Nahum.

E foi o Nahum, quando o Rafael terminou o curso, que representou os pais distantes, indo com ele à conclusão do curso para entregar-lhe o certificado.

A mensch, diria minha avó Maria. Um tremendo mensch, completaria eu. Um amigo notável que todos perdemos. Ou talvez não tenhamos perdido: dizem nossos sábios que uma pessoa não morre enquanto não é esquecida. E digo eu, arvorando-me a completar o pensamento dos sábios, que, apesar da perda de agora, o ganho que tivemos com a presença do Nahum em nosso mundo supera toda a tristeza que sentimos hoje.

Que todos digamos o Kaddish e o Shemá por ele.

São Paulo, 2 de dezembro de 2015

-----------------------------------------------------------------------

CHUMBO GORDO


Este artigo pode ser lido também no CHUMBOGORDO.com.br, nosso novo site jornalístico, que vai reunir a cada dia algumas feras do jornalismo, da informação, das charges e imagens, articulistas e comentaristas. Tudo o que você esperava. Informação com humor e bom senso.


Não deixe de visitar, curtir, recomendar aos amigos. Assine nossa newsletter

Nahum Sirotsky
(FOTO RICARDO CHAVES- AGÊNCIA RBS)