Capa

Artigos

E a maioria, que impôs sua vontade? Por Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa

... Nós já tivemos escolha. Agora, tal como no caso do óleo de fígado de bacalhau, não temos mais como dizer não. É engolir e torcer para não engasgar.

05.08.2016  |  409 visualizações
Artigo publicado originalmente no Blog de Ricardo Noblat, 5 de agosto de 2016


Não é uma coisa extraordinária? Como é que pode, foi o que pensou a senadora Grazziotin que ficou tão estarrecida com o resultado que desabafou na TV Senado contra essa imposição da maioria!


A senadora, membro bastante atuante da bancada do ‘jardim da infância’ (segundo ‘O Antagonista’), acompanhada dos coleguinhas Gleisi e Lindbergh durante os trabalhos da Comissão Especial do Impeachment no Senado, nos últimos dias teve a companhia da agitadíssima senadora Kátia Abreu, ex-ministra de Dilma Rousseff. Pobrezinhos, lutaram tanto contra a aprovação do relatório a favor do impeachment para perder para a maioria!


Pois é. Mas o Brasil anda muito atrapalhado e coisas incríveis acontecem. Vou citar algumas:


* Dilma, a presidente afastada, pede aos brasileiros mais um esforço contra o impeachment. Quer respeito aos 54 milhões de votos que recebeu - só não conta como foi esse milagre... Promete um plebiscito se voltar ao Planalto!


* Plebiscito? Impossível, pensa o presidente do partido da afastada, Rui Falcão, que não vê nenhuma viabilidade nesse tipo de proposta.


* A EBC (Empresa Brasil de Comunicação), que pertence ao Governo Federal, quer dizer, é nossa, disse em seu Twitter que o presidente Michel Temer escolheu ‘passar vergonha’ ao resolver comparecer à cerimônia de abertura da Rio 2016!!!


* Eduardo Paes, depois de prometer um canguru para pular na frente da delegação da Austrália, disse que não está disposto a ‘pagar caviar para os outros’. Agora é tarde, prefeito. Agora tem que pagar tudo nesta Olimpíada à La Brasil, como nos etiquetou o presidente do COI. Será que Paes sabe o total da conta que vem por aí?


* Tem mais: o prefeito do Rio pede que os moradores da cidade não saiam de casa no dia 5. Deve ser para não atrapalhar a festa dos gringos.


Quanto a mim, o prefeito pode ficar descansado. Os assaltos e crimes estão em alta nesta linda e mui amada cidade. Não pretendo nem ir à janela. Encaro a Olimpíada como uma colher de óleo de fígado de bacalhau quando eu era criança. Dava para dizer à mãe que não ia tomar? Queria ver! Tinha que tomar, não tinha escolha.


Nós já tivemos escolha. Agora, tal como no caso do óleo de fígado de bacalhau, não temos mais como dizer não. É engolir e torcer para não engasgar.


A Olimpíada nos foi presenteada com um bilhete anexo: vai ser ótimo para o Rio. A maioria, que é quem manda, como o ‘jardim de infância’ descobriu ontem, acreditou e aprovou a promessa de um legado fantástico! Vejam o bem que fez para Barcelona, é o que diziam...


Já vimos. Mas isso pega?


(imagem da abertura: Rio 2016 (Foto: Amorim / Cartoon Movement)

_______________________________________________________

Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa* - Professora e tradutora. Vive no Rio de Janeiro. Escreve semanalmente para o Blog do Noblat desde agosto de 2005. Colabora para diversos sites e blogs com seus artigos sobre todos os temas e conhecimentos de Arte, Cultura e História. Ainda por cima é filha do grande Adoniran Barbosa.
https://www.facebook.com/mhrrs e @mariahrrdesousa


-----------------------------------------------------------------------

CHUMBO GORDO


Este artigo pode ser lido também no CHUMBOGORDO.com.br, nosso novo site jornalístico, que vai reunir a cada dia algumas feras do jornalismo, da informação, das charges e imagens, articulistas e comentaristas. Tudo o que você esperava. Informação com humor e bom senso.


Não deixe de visitar, curtir, recomendar aos amigos. Assine nossa newsletter

RIO 2016
(Amorim)

Leia também...

18.10.2019
Esculhambação nacional. Por Marli Gonçalves

11.10.2019
Olha a faca! Por Marli Gonçalves

04.10.2019
Dias estranhos e os cotidianos perrengues. Por Marli Gonçalves

27.09.2019
Backup de nossas vidas. Quem faz? Por Marli Gonçalves

Entre em contato