Capa

Diário Grande ABC

Feliz Natal (só para nós). Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 25 DE DEZEMBRO DE 2019

24.12.2019  |  465 visualizações

 

 Nas muitas mensagens de Natal recebidas por esta coluna, várias utilizam a oportunidade para comentar a situação. Há uma queixa que se repete: por que só se fala nos filhos de Lula, não nos de Bolsonaro? Ou, por que só se fala em Flávio Bolsonaro e não em Lulinha e seus irmãos? A dúvida tem seus motivos: em geral, acham que qualquer crítica aos adversários é amena, frouxa e pouca, e aos seus ídolos é ácida, maldosa e excessiva. Pesquisar no Google se isso é verdade, nem pensar: para que, se todos já têm opinião?

Há também o curioso detalhe da quantificação do dinheiro envolvido no caso: por que incomodar Flávio Bolsonaro por poucos milhões – nenhuma acusação chega sequer a uma dezena – quando se fala em muitos milhões na Gamecorp, de Lulinha? Simples: porque, caso as acusações sejam corretas, um crime foi cometido. O que varia é o valor, não a transgressão da lei. Talvez uma transgressão mais substanciosa provoque pena maior, mas o desvio de bilhões ou de milhões é crime do mesmo jeito.

Há casos estranhos: o caso Flávio Bolsonaro, ocorrido quando era deputado estadual no Rio, anda mais rápido do que o mesmo rachid de que é acusado o atual presidente da mesma Assembleia, e que é dezenas de vezes maior. Mas isso não inocenta um – apenas exige mais rigor no caso do outro.

Viver num país polarizado é como enfrentar briga de crianças: eu sou, mas você também é. Políticos dizendo isso, vá lá. Mas o eleitor segui-los?

 Questão de...Resultado de imagem para happy christmas

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, é criticado por ter viajado de jatinho da FAB, a trabalho. Mas dali seguiu de carro para uma um hotel-resort, onde ficaria alguns dias. A volta a Brasília, claro, é de jatinho da FAB. Já outras vezes foi criticado por usar a FAB em atividades não oficiais.

Certo ou errado? Nenhum dos dois: apenas inevitável. No clima belicoso que se vive no Brasil, poderia o presidente do STF tomar um avião de carreira sem ser incomodado por passageiros mal-educados que confundem o direito de crítica com a agressão verbal? Uma coisa é falar mal do ministro com o vizinho de poltrona; outra é gritar insultos e gravá-los para as redes sociais.

Resultado de imagem para happy christmas ...educação

Ninguém, mesmo que esteja errado, pode ficar à mercê de achincalhe público – que, a propósito, incomoda também outros passageiros, que queiram tranquilidade, não xingamentos. Os achincalhadores desafiam a lei. E cabe à Polícia Federal enquadrá-los para que não haja mais abusos a bordo.

 

 Por que caiu?Resultado de imagem para happy christmas

O presidente Bolsonaro, ainda bem, nada sofreu com o tombo que levou na noite do dia 23, no Palácio da Alvorada. Fez todos os exames, inclusive o de imagem, e está bem. Mas há uma pergunta que não foi respondida: qual a causa da queda? Foi um escorregão, um tropeço? O assunto está encerrado. Mas, se caiu por outra causa – como um mal-estar – é preciso ir mais longe nas investigações. É preciso ter certeza de que o presidente está em forma.

A propósito, Bolsonaro disse que poderia estar com câncer de pele. No dia seguinte, disse que não tinha nada e culpou a imprensa pela “notícia falsa”. Afinal, qual a verdade? A saúde do presidente é de interesse nacional.

 É excelente ser excelênciaResultado de imagem para happy christmas

A informação foi apurada pelo jornalista Cláudio Humberto, do Diário do Poder (www.diariodopoder.com.br). Além do salário de quase R$ 34 mil mensais, deputados e vereadores cobraram do Congresso a reposição de despesas que dizem ter tido “com o exercício do mandato”. Com nota, vale até aluguel de jatinho (e, como lembra Cláudio Humberto, valeu para o deputado Afonso Motta, do PDT gaúcho, ser ressarcido de R$ 0,50 gastos com um pão de queijo). A Câmara devolve cerca de R$ 3,9 milhões por ano para cada deputado – são 531. O Senado devolve R$ 2,78 milhões anuais para cada um dos 81 senadores.

Despesas, para eles, não são preocupação.

 Paipai bravoResultado de imagem para happy christmas

O acionista majoritário da Odebrecht, Emílio Odebrecht, demitiu por justa causa seu filho Marcelo, “o príncipe dos empreiteiros”, por fazer comentários depreciativos em público sobre a empresa da qual foi, até há pouco tempo, quando foi para a cadeia, o principal executivo.

Lembra um caso ocorrido há anos, quando Clemente de Faria, dono do Banco da Lavoura de Minas Gerais, morreu. Aluísio Faria, o filho mais velho, herdou a gestão, e Gilberto, o mais novo, ficou como diretor. Um dia, Gilberto processou o banco por não cumprir, em seu caso, as obrigações trabalhistas. E Aluísio o demitiu por justa causa.

Final: o juiz do Trabalho condenou os dois, alegando que ambos disputavam o controle acionário do banco e que isso nada tinha a ver com questões trabalhistas. O caso Odebrecht pode acabar desse jeito.

 O viceResultado de imagem para happy christmas

Depois de Mourão, Bolsonaro quer Moro de vice. Ainda bem que não pode disputar um terceiro mandato, ou acabaria tendo Mourinho na vice.

 _______________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
______________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (WWW.CHUMBOGORDO.COM.BR)
___________________________________________________

Leia também...

21.02.2020
Tudo tem seu nome certo. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 23 DE FEVEREIRO DE 2020

18.02.2020
E no entanto é preciso cantar. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 19 DE FEVEREIRO DE 2020

15.02.2020
Por que não te calas? Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 16 DE FEVEREIRO DE 2020

11.02.2020
Deixa as águas rolar. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 12 DE FEVEREIRO DE 2020

Entre em contato