Capa

Diário Grande ABC

O cerco se aperta. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 20 DE MAIO DE 2020

19.05.2020  |  288 visualizações

O coronavírus, por enquanto, está ganhando a guerra. Já que é guerra, o Governo, oras, pôs na Saúde um general. O general se cercou de nove outros militares. Há as investigações sobre denúncias do ex-ministro Sergio Moro, há investigações sobre a organização de atos contrários à Constituição, em que se prega o fechamento do Congresso e do Supremo, há 30 pedidos de impeachment na Câmara. As denúncias do antigo aliado Paulo Marinho, que se afastou de Bolsonaro, têm pontos que podem ser verificados. O cerco ao presidente se apertou tanto que, para manter a estabilidade, mergulhou de cabeça no que chama de Velha Política: trocar cargos por votos do Centrão.

Contra Bolsonaro propriamente dito, há as denúncias de Moro e os 30 pedidos de impeachment. Paulo Marinho atinge Flávio, o filho mais velho. As investigações sobre os atos antidemocráticos podem alcançar Eduardo e Carlos, outros dois filhos. Há ainda as notícias falsas, investigadas pelo STF.

O vídeo de uma reunião ministerial grosseira, com insultos a ministros do Supremo e a governadores, confirmou as denúncias de Moro e desmentiu Bolsonaro: sim, ele disse o que tinha dito que não disse. A maior denúncia de Paulo Marinho, de que Flávio Bolsonaro lhe contou que haveria operação da PF envolvendo pessoas próximas, cita reunião num lugar em que havia câmeras de segurança. É algo que pode ser investigado – e está sendo.

Não se trata de uma gripezinha: é algo que arrisca a sobrevivência do Governo.

 O vírus chapa-branca

Todos esses problemas estariam parados se Bolsonaro se ocupasse com o combate ao coronavírus. Ao contrário: pôs na cabeça que fora da cloroquina não há salvação e se comporta não como líder dos esforços para conter a doença, mas como desmoralizador dos planos que vêm sendo aplicados. Vai às ruas, faz comícios com gente aglomerada, leva sua própria filha pequena para perto da aglomeração, já cansou de negar a importância do coronavírus e, confrontado com o número de mortos, diz que não é coveiro.

Deu um tiro em cada pé em quatro ocasiões: negando a pandemia, impondo um remédio que pode até, eventualmente, ser o correto, mas que ele não tem condições de julgar, demitindo ministros e brigando com governadores e prefeitos. O peso político do presidente é muito menor do que já foi, embora grande o suficiente para evitar o impeachment. Mas já não tem excesso para queimar.

 Preocupação dos traficantes

Os traficantes da Comunidade Camarista Outeiro, no Rio, determinaram que a partir de hoje o comércio só poderá abrir meia porta: “entrar, comprar e ir embora para casa”, com exceção de mercadinho, farmácia e hortifruti. “Todos moradores da comunidade terão de usar suas máscaras. Toque de recolher às 21h, todos em suas casas, exceto moradores que estão chegando ou saindo para o trabalho”. Mais: “Abraça o papo para o papo não te abraçar. A ronda vai passar e é sem simpatia”. Assinado, A Firma.

Traduzindo, os traficantes estão mais preocupados com a saúde de seu povo do que os milicianos.

 Boas notícias

São boas notícias, simultâneas: o laboratório americano Moderna já entrou na segunda fase de testes de um remédio que pode curar, destruindo o vírus, e prevenir, criando em quem o toma os anticorpos adequados. Outro teste é o brasileiro: segundo Marcos “Astronauta” Pontes, ministro da Ciência e Tecnologia, a nitazoxanida, Anitta, um vermífugo muito usado no país, mostrou-se eficiente no tubo de ensaio, e entra em nova fase de testes, em seres humanos. Israel anuncia também uma vacina, para entrar logo em fase de fabricação. E faz poucos meses que o genoma do vírus foi decupado!

Mas calma: se tudo correr bem, haverá remédios só no último trimestre.

 Más notícias

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, bem que resistiu: em vez de gente do Centrão, preferia nomear mais discípulos do escritor Olavo de Carvalho. Mas teve de ceder – e ainda informar à chefe do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, Karine Silva dos Santos, que seria trocada por Gharigam Pinto, indicação de Valdemar “Boy” da Costa Neto. Boy sabe: o FNDE dispõe de 20% das verbas do Ministério da Educação e de inúmeros cargos. Outros nomes já escolhidos: Carlos Marum, PMDB, e José Carlos Aleluia, DEM, ilustres membros do Centrão, estão no Conselho de Itaipu – seis reuniões por ano, e R$ 27 mil mensais de salários.

 Verdade é mentira

O presidente Bolsonaro acusou a revista Crusoé de publicar três frases completamente soltas, “nada têm a ver com a verdade, nada”. Seguiu: “É uma vergonha o que a imprensa brasileira faz”. A Crusoé divulgou três frases na capa. As três foram ditas na reunião ministerial cujo vídeo foi exibido por ordem do ministro Celso de Mello. As três foram retiradas da transcrição divulgada pela AGU, Advocacia Geral da União.

Mais oficial, impossível.

_______________________________________________________

CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
______________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (WWW.CHUMBOGORDO.COM.BR)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:
@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

Leia também...

29.05.2020
A anatomia da crise. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 31 DE MAIO DE 2020

26.05.2020
Roubando o remédio do doente. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 27 DE MAIO DE 2020

22.05.2020
Um calor de gelar os ossos. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 24 DE MAIO DE 2020

15.05.2020
Nos tempos que já se foram. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 17 DE MAIO DE 2020

Entre em contato