Capa

Diário Grande ABC

A dança dos fura-tetos. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 16 DE AGOSTO DE 2020

14.08.2020  |  239 visualizações

 

fura-tetos

Os bons tempos voltaram! Lembra-se de Sebá, O Último Exilado, que não acreditava nas notícias que lhe chegavam do Brasil e achava que a esposa se amancebara e não o queria de volta? Chôse de lóque! Mas hoje, como na década de 1980, quando Jô Soares criou o personagem, Sebá não acreditaria em nada. Imagine se Bolsonaro, O Inimigo da Velha Política, teria acertado tudinho com o Centrão e adotado, como conselheiro, justo Michel Temer? Talkey, Bolsonaro não deve entender direito a empolada fala de Temer, então tudo bem: talvez o confunda com Olavo de Carvalho. Sebá acreditaria quando ouvisse o presidente se referir a seus ministros como Fura-Tetos?

Eu sou do tempo em que chamar alguém de Fura-Teto era insultá-lo. Hoje Bolsonaro chama seus homens de confiança de Fura-Tetos como elogio. Há alguns anos, talvez os brindasse com uma volta no primeiro Fusca teto solar, que o mercado rejeitou e apelidou de Cornowagen. Também sou do tempo em que a saída de dois assessores do ministro não se chamava “debandada”.

Velhos tempos! Dizia-se que, se um banqueiro tivesse olho de vidro, não seria difícil identificá-lo: um de seus olhos teria brilho, calor humano – claro, o de vidro. Hoje, um operador financeiro com longos anos de êxitos acredita quando o presidente lhe diz que apoia sua política e rejeita a dos Fura-Tetos. E os Fura-Tetos dizem, pensando que a gente acredita, que não querem furar o teto de gastos, só querem algum dinheiro para promover o bem do Brasil.

A vida como ela foi

Bolsonaro exerceu a deputança por 28 anos, votando com Lula e Dilma na maior parte das vezes. Disse que votou em Lula para presidente “por causa da honestidade”. Virou “liberal na economia” só nas eleições de 2018. Paulo Guedes sabia disso (como Sergio Moro também sabia). Liberal na economia, pelo jeito, significa liberar a gastança. Mas sair do Governo é outra coisa.

 O custo da liderança

Como não disse o esplêndido escritor americano Mark Twain, temos os melhores eleitores que o dinheiro pode comprar. Afirmam os adversários do presidente que ele começou a recuperar-se nas pesquisas depois que parou de falar. Nesta coluna, no dia 9 de agosto, que analisava com antecedência a ascensão de Bolsonaro, este fato nem é citado. O importante é lembrar que, num país pobre, os R$ 600,00 de auxílio resolvem os problemas imediatos da população mais pobre e a fazem olhar com carinho para quem a beneficia.

Curiosamente, Bolsonaro queria dar R$ 200,00 de auxílio e foi Rodrigo Maia quem elevou a verba para R$ 600,00, elevando também nas pesquisas o nome do presidente. Num país mais organizado, a renda mínima seria uma política de Estado, não partidária. Guedes, aluno de Milton Friedman, sabe tudo de renda mínima, mas não a implantou. Junto com as reformas que defendia, ficou na gaveta. Virou coisa partidária e haverá problemas para manter os pagamentos.

É a hora em que agem o Centrão e os Fura-Tetos.

 Cala-a-boca continua

Bia Kicis é procuradora aposentada, de boa reputação profissional, sempre trabalhou na área do Direito. Mas pediu à Vara Cível de Brasília que censurasse uma reportagem da revista Crusoé sobre dificuldades para aprovação no Congresso da prisão de réus após condenação em segunda instância, embora o artigo 220 da Constituição proíba a censura.

Importante: o que a Constituição garante não é só a livre expressão, mas também o direito do cidadão de receber informações. Sempre que houve censura o cidadão foi prejudicado. Um dos temas censurados naquela ditadura que dizem que não houve foi um surto de meningite. Sem informação, as pessoas não se protegiam. Como diria alguém, “mas todos vamos morrer, não é?”

 O custo do cala-a-boca

O pedido da deputada federal Bia Kicis atingiu reportagem sobre a pouca vontade dos bolsonaristas em aprovar a medida. Bia Kicis fez 40 discursos na Câmara em 2020 sem mencionar a segunda instância nem uma só vez.

Digamos que, em certos casos, só mesmo censura para salvar a face.

 Protegendo as mulheres

Uma boa notícia: engenheiras israelenses de software organizaram uma hackathon (maratona de programação de elite) para desenvolver aplicativos que ajudem a proteger mulheres vítimas de violência doméstica e as auxiliem a denunciar agressões e assédio. A ideia nasceu de uma tragédia: em outubro do ano passado, Michal Sela foi morta a facadas pelo marido. A irmã dela, Lilian Ben Ami, criou, com um grupo de amigas, o Safe Home Hackathon, que conquistou o apoio de Facebook, Microsoft e SalesForce e reuniu mais de 1.800 profissionais de tecnologia, divididos em 54 grupos. Um destaque é o aplicativo MedFlag, que usa dados do sistema nacional de saúde para identificar vítimas com machucados recorrentes e protegê-las. Outro é o Stay Tuned, camuflado num smartphone, que registra sons quando está aberto e os envia imediatamente para outras pessoas, via nuvem. Podem dar certo.

_______________________________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
______________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (WWW.CHUMBOGORDO.COM.BR)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br

Leia também...

18.09.2020
Mas a festa continua. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 20 DE SETEMBRO DE 2020

15.09.2020
A nova forma da nuvem. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 16 DE SETEMBRO DE 2020

11.09.2020
As aparências enganam. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 13 DE SETEMBRO DE 2020

08.09.2020
Dinheiro entra, dinheiro sai. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 9 DE SETEMBRO DE 2020

Entre em contato