Capa

A farsa dos 99,9% e seu 0,01%. Por Marli Gonçalves

28.08.2020  |  223 visualizações

Você acredita, realmente acredita, em produtos que proclamam ter 99,9% de eficácia contra qualquer coisa? Esses 0,1% restantes podem virar álibi imediatamente e o uso desse marketing ostensivo em momentos como esse que vivemos, de pandemia, a mim parece até criminoso

99.99 percent rubber stamp stock illustration. Illustration of certificate - 83189421

Veja bem, não é 96,5%, 96,6% - é 99,9% o que vendem. Já surgem alguns muitos produtos – para chão, banho, cabelos, mãos, e até tecidos -que perderam a vergonha de vez: chegam até a falar em 100% de eficácia, sem eira nem beira, e destacam ainda sempre em letras assinaladas, que matam “inclusive o vírus da Covid-19”. Estamos mesmo às traças, com as instituições ligadas às áreas de saúde, vigilância sanitária – aliás, qualquer vigilância, pensando bem – destroçadas. Campo aberto para que nos tentem vender todos os embustes possíveis e imagináveis. Até presidentes, governadores e etcs, como bem temos visto.

Inclusive, Bolsonaro andou reivindicando 0,1% de poder de veto na economia, nas decisões do ainda, por enquanto, ministro Paulo Guedes. Embora essa semana tenha ficado mesmo é com os 99,9% de concentração de poder e mandado o Projeto Renda Brasil que seria anunciado, digamos, para a “cesta seção”, como nós da imprensa chamamos a lata de lixo.

Quer evitar infecção? Fique na clássica mistura de sabão comum e água. No álcool 70%. Essa é a recomendação literal da FDA, que regula remédios e alimentos nos Estados Unidos, e que lá funciona, ao contrário de nossa Anvisa. Desde 2016 a agência baniu 19 químicos que seriam usados na maioria dos sabonetes que dizem eliminar “até 99,9% das bactérias”. Não sei se conseguiram, como queriam, que esses produtos, inclusive, saíssem do mercado. Duvidaram não só da eficácia, como da segurança de seu uso, até porque muitos dos componentes químicos que estavam sendo usados poderiam ampliar a resistência dos bichinhos malditos, vírus e bactérias, criando, inclusive, super bichinhos, e que não há antibióticos ou remédios desenvolvidos que possam curar.

Antes, solicitaram às empresas que enviassem estudos e dados que comprovassem que seus produtos matavam mais micróbios que o sabão neutro comum. Grande parte das marcas não chegou nem a mandar documento algum; alegaram que estudos clínicos com seres humanos são caros e longos. Vejam só.

Assim, o FDA baniu 19 componentes químicos, os mais comuns, Triclocarban e Triclosan. Não conseguiram precisar o tempo que permanecem no organismo, e descobriram que, mesmo enxaguados, alguns deles foram absorvidos pela pele, foram parar na urina, e o que consequentemente os leva aos esgotos e... bem, se espalham pelas águas. Estudos mostram que o Triclocarban pode causar alterações nos hormônios da tireoide e na ação da testosterona. Testes com ratos na puberdade mostraram riscos até para o desenvolvimento sexual.

Foram muitos estudos, sobre todos os mecanismos. Um deles mostrou, por exemplo, que a Salmonela se torna mais resistente a vários medicamentos depois da exposição prolongada a sabonetes desinfetantes. Daí continuarem com a recomendação de uso do sabão simples, e do álcool 70 graus, também em álcool gel, como estamos usando.

Peguei umas dessas marcas que aparecem por aqui prometendo tudo em seus anúncios e tentei ver qual era a sua formulação. Me deparei com “informações” assim, em seus rótulos: Princípio ativo, tensoativo não-iônico (álcool graxo etoxilado), agentes de controle de PH , fragrância e água. PRINCIPIO ATIVO: cloreto de benzalcônio, 03%.

Tinhosa, fui atrás de saber do tal cloreto. Tudo bem, muito usado em descongestionantes nasais, tratamento de feridas, limpeza de hospitais.  Na pesquisa, acabei chegando em alguns desses produtos 99,9%. Um deles inclusive, três conhecidas letrinhas do mercado, deixa claro em seus asteriscos: *Teste conduzido em laboratório por 15 minutos com os microrganismos salmonella choleraesuis, staphylococcus aureus, pseudomonas aeruginosa, enterococcus hirae, escherichia coli e trichophyton mentagrophytes. **fragrância com ação prolongada.

Ou seja, o perfume fica. A tal ação – e contra esses seres - só garantiriam por 15 minutos.

Considere que comentando tudo isso estou querendo ajudar, inclusive, na sua economia; sei que em momentos paranoicos como esse a gente busca qualquer coisa para se defender e à nossa família. Eles sabem disso e cobram exorbitâncias pelo marketing que inventam, que vendem até que alguém os obrigue a provar o que dizem.

Se cuide, mantenha o isolamento social, use máscara e lave sempre as mãos. Estou bem cansada de tanta enganação em nossos caminhos. Grande parte delas costuma usar percentuais mágicos que a gente pouco sabe baseados em quais 100% tratam. E esse cuidado que precisamos ter é aplicável em todos os assuntos que precisamos atentar para não virarmos nós mesmos os percentuais. De vítimas.

__________________________________________

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. À venda nas livrarias e online, pela Editora e pela Amazon.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________________________

 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves
No Twitter: https://twitter.com/MarliGo