Capa

Diário Grande ABC

Arrastando os coturnos. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 13 DE JANEIRO DE 2021

12.01.2021  |  229 visualizações

Um bom número de países iniciou a vacinação; Israel já vacinou quase 30% da população. E o Brasil? O general nomeado para gerir a Saúde continua arrastando os coturnos: diz que, após a aprovação das vacinas pela Anvisa, levará uns três ou quatro dias para enviá-las a todo o país, e só então poderá iniciar a vacinação. OK: quando um ministro, senador ou assessor inventa de ir para casa descansar alguns dias, o jatinho surge na hora. Por que, para salvar vidas, é preciso gastar quatro dias só para levar a vacina?

O general demorou para encomendar seringas, agulhas – essas coisas que nem precisa ser “especialista em logística” para saber que serão necessárias. Conseguiu, com ajuda da OMS (de que o Governo fala tão mal), um bom lote de seringas e agulhas. Mas preferiu o frete marítimo, mais lento, não o aéreo. De duas, uma: ou quer atrasar a vacinação (para impedir que a vacina do Butantan seja usada antes da que o Governo Federal está trazendo), ou o Sargento Tainha, com o qual tem semelhança ao menos no corpanzil, faria melhor figura. Aliás, o Recruta Zero será parente dos zeros da família?

Enquanto cidadãos brasileiros morrem, que dizem as autoridades?

Bolsonaro: “Eu sou imbroxável”. Zoser Plata Bondim Hardman de Araújo, assessor do ministro da Saúde (a descrição da reunião em Manaus, em meio ao caos da saúde, é feita pela boa repórter Malu Gaspar, na Piauí de janeiro): "Doria é o maior pau pequeno, um boiola”.

De que se queixa?

 Dia D, Hora H, ou não

A frase mais estranha do general da Saúde é que a vacinação no Brasil começará no Dia D, Hora H. Dia D. Hora H era o momento da invasão da Normandia pelos Aliados, na Segunda Guerra Mundial. Se esperassem uma decisão do general da Saúde, até hoje estaríamos aguardando o desembarque.

 Preocupado com a Covid?

Bolsonaro fala agora a respeito de facilitar a compra de armas no Exterior. Quanto à vacinação, haveria uma reunião do general da Saúde, ontem, com os governadores. Mas nada de sonhos: a reunião foi adiada para algum dia.

 Bye, bye, Ford

Dá para discutir longamente os motivos da decisão da Ford de suspender a fabricação de veículos no Brasil. Mas o motivo real é simples: há quanto tempo o caro leitor não sonhava com um carro novo da Ford? Mesmo nos EUA, o ponto forte da Ford era um veículo tradicionalíssimo, a F 250. Nos últimos dias, saiu finalmente um carro com pegada moderna, um Mustang elétrico, SUV. A empresa tinha ficado para trás. Eterna segunda no ranking, atrás apenas da GM, hoje fica em sexto, atrás da Hyundai; a marca Mercury sumiu, Ford e Lincoln, juntas, vendem talvez metade da líder Volkswagen.

 E agora?

A Ford foi dona de marcas lendárias, Volvo, Aston Martin, Jaguar, mas vendeu-as. Inovou no processo de fabricação, criando a produção em série e derrubando o custo dos automóveis. Ford tinha a ideia fixa (que nunca tentou realizar) de combinar carro e avião, criando um carro voador – isso em 1930, aproximadamente. Agora, se quiser voltar a ser a grande Ford, a empresa terá de seguir as tendências: carro sem poluição, silencioso (de propulsão elétrica, de preferência), automatizadíssimo.

Uma frase clássica de Ford: fez o carro como quis. Se fizesse uma pesquisa, o público certamente pediria cavalos mais rápidos. Hoje está na hora de aplicá-la: na hora dos smart systems, irá a Ford optar por meia dúzia de computadores ou por um computador que vai funcionar também como carro? Seus concorrentes são, agora, Tesla, Google, talvez Volkswagen, Toyota e Apple? O mercado mudou, mudou o mundo.

 Preocupado?

As declarações mais atuais do presidente Bolsonaro se referiram a decretos que promete assinar para facilitar a importação de armas. Nada sobre combate à Covid ou vacinação. Ontem deveria haver reunião entre os governadores e o general da Saúde, para discutir o calendário da vacinação. A reunião foi suspensa – não se soube o motivo – na noite de segunda-feira.

 Mas preocupe-se

O jornal Correio Braziliense informa que, nesta semana, a empresa União Química iniciará a produção da vacina russa – a Sputnik 5. Informa a União Química que, enquanto não houver autorização da Anvisa, as vacinas serão exportadas. O diretor de Negócios Internacionais da União Química, Rogério Rosso, já foi governador de Brasília. Curiosamente, não há nada na Anvisa referente à vacina russa – que, a propósito, deve ser boa, já que não houve nenhuma queixa dos países que a adotaram, e os russos têm boa tradição na área. No dia 8, nenhuma referência no quadro da Anvisa. Uma das colunas do quadro é o Certificado de Boas Práticas de Fabricação, que exige o envio de especialistas da Anvisa ao laboratório que cuida da produção. Nada há.

Um problema

Quando se sabe que há político no caso, o alarme soa. Pode ser injusto.

_______________________________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
______________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

Leia também...

23.02.2021
A história real. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 24 DE FEVEREIRO DE 2021

19.02.2021
Boi bravo mas está na cerca. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 21 DE FEVEREIRO DE 2021

16.02.2021
Candidato para que? Para nada. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2021

12.02.2021
Este país é um espeto. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 14 DE FEVEREIRO DE 2021

Entre em contato