Capa

Diário Grande ABC

Chega! Ou não. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 24 DE JANEIRO DE 2021

22.01.2021  |  249 visualizações

Mão Pare png | PNGWing

 

O presidente Bolsonaro mostra de novo que não precisa de oposição. Ele mesmo cuida disso. A oposição mostra de novo que não tem a menor ideia do que seja fazer oposição. São tão incompetentes que até o PT, que sempre se disse contrário a Bolsonaro, está fechado com o candidato bolsonarista à presidência do Senado, ao lado do Centrão, e ainda confraternizando. E há deputados que se dizem de oposição prontos a trair seus partidos para votar no candidato de Bolsonaro à presidência da Câmara – e que candidato!

É do Centrão; entre seus problemas há até processo por agressão à esposa. Sim: neste momento em que a incompetência oficial no combate à Covid derrubou a aprovação de Bolsonaro de 37% para 26% (pesquisa Exame) e elevou sua rejeição para 40% (Datafolha), partidos que se dizem de oposição querem é escolher um presidente da Câmara que não vai permitir que nenhum pedido de impeachment seja analisado pelo plenário. Lembremos o elogio do escritor americano Mark Twain aos parlamentares americanos: “Temos o melhor Congresso que o dinheiro pode comprar”.

Entre oposição que apoia o Governo e Governo que faz oposição a si mesmo, quem ganha? No momento, o Governo oposicionista: quem escolhe um ministro da Saúde que não serviria nem para Dilma se coloca em risco. Já se fala muito em impeachment. As passeatas estão de volta. E há ainda os caminhoneiros, com greve marcada para 1º de fevereiro, contra Bolsonaro.

 Cadê a moeda?

Os caminhoneiros protestam contra a BR do Mar, uma das mirabolantes ideias que parecem ótimas até chegar a hora de pagar a conta. O objetivo da BR do Mar é eliminar o transporte de carga a longa distância por caminhões. Tudo seria transportado por navios costeiros e os caminhões entrariam só na última etapa, do navio ao destino. Quanto custa, quem paga? Quem paga nós sabemos; mas quanto custa? E os caminhoneiros, com veículos caríssimos, deixam de trabalhar? Bolsonaro sugere dar prioridade aos caminhoneiros na hora das vacinas.

É uma troca interessante: o próprio presidente diz que as vacinas não têm comprovação científica, mas as oferece. E cadê as vacinas?

 Brincando de esconder

Greve de caminhoneiros é coisa muito séria. Derrubou governo no Chile, pôs na corda bamba o governo de Michel Temer. Mas falemos um pouco de vacinas: neste fim de semana chegaram ao Brasil dois milhões de doses da vacina de Oxford, enviadas pela Índia. Dos duzentos e poucos milhões de brasileiros, atendem a um milhão (são duas doses). O pessoal de saúde, os velhinhos, ficam todos aguardando a vacinação dos caminhoneiros? E isso não seria preciso: o Brasil rejeitou todas as vacinas que lhe foram oferecidas.

 Não se metam

Há cerca de um ano, o Brasil poderia ter entrado na Covax, um grupo de 165 países que receberia vacinas a preços menores, com cota de 200 milhões de doses. Uns meses depois, após hesitar muito (Trump não lhe havia dado a ordem), Bolsonaro entrou, com cota de vinte milhões de vacinas. Em agosto, a Pfizer ofereceu ao Brasil 70 milhões de doses, a entregar até janeiro deste ano. O Brasil não respondeu.

Em 20 de outubro, o General Cloroquina, o superhomem da Logística que ocupa a Saúde, anunciou a compra de 46 milhões de doses da Coronavac. No dia seguinte, Bolsonaro desautorizou o Cloroca e disse que jamais compraria esta vacina. Vamos somar: são 316 milhões de doses que Bolsonaro não quis comprar quando havia estoques e que hoje seriam suficientes para a população brasileira – e com duas doses.

E não seria preciso ajoelhar-se ante Índia e China para implorar vacinas.

 Sem fantasia

A informação de que o Governo chinês exige a demissão do chanceler Ernesto Araújo para liberar o Insumo Farmacêutico Ativo necessário para que Butantan e Fiocruz produzam as vacinas CoronaVac e Oxford é falsa. Em primeiro lugar, qual a diferença entre demitir o atual chanceler ou não? De qualquer forma, como até hoje, o posto continua vago. Mas esta coluna procurou pessoas com fortes contatos com a representação da China, que nos informaram que a Embaixada não tomaria tal atitude, pois seria intromissão nos assuntos internos de outro país.

Gostariam, é verdade, que o Brasil afastasse o chanceler, um criador de casos, mas não farão nem a sugestão.

 E o impeachment?

Por enquanto, nem sim nem não: o prestígio de Bolsonaro se derreteu bem rapidamente pela má gestão da pandemia, mas não é impossível que consiga se recuperar. Ele tem apoio no Congresso e cargos para garantir esses apoios. Mas, se as manifestações de rua ganharem força, até os parlamentares mais fiéis às mordomias podem sentir-se tentados a abandoná-lo. Político até enfrenta problemas para não largar o osso, mas não pula no abismo. Lembre o deputado, que estava viajando, da tropa de choque de Collor. Quando viu que o impeachment seria aprovado, voltou a Brasília e votou a favor.

____________________________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
______________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

Leia também...

23.02.2021
A história real. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 24 DE FEVEREIRO DE 2021

19.02.2021
Boi bravo mas está na cerca. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 21 DE FEVEREIRO DE 2021

16.02.2021
Candidato para que? Para nada. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2021

12.02.2021
Este país é um espeto. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 14 DE FEVEREIRO DE 2021

Entre em contato