Capa

E o que ele é? Por Marli Gonçalves

19.03.2021  |  180 visualizações

Um homem que nos desgoverna e ameaça, para o qual um punhado de expressões e adjetivos bem fortes para defini-lo ainda é muito pouco, nos inquieta e aprofunda a crise. A articulista Mariliz Pereira Jorge listou dezenas deles (os reproduzo ao fim desse texto, além de outras descobertas) e logo foi ajudada por sugestões de outros epítetos. Como os propostos pelo jornalista,  dicionarista, professor, autor do “Dicionário do Nordeste - 10 mil palavras e expressões”, Fred Navarro: ...“acabador de feira /bexiguento /caninguento /casco de cuia /estrompa /filho de chocadeira /jumento sem mãe /mandioca que jegue não rói /oficial de caveira /papel de enrolar prego /peitica da velha chica”...

E O QUE ELE É

Bem, no mínimo nosso vocabulário ficará muito mais rico.

Não feche os olhos, não se faça de bobo, não se omita, preste atenção enquanto é tempo. A crise política e social do momento é gigantesca, se agrava, muito além de milhares de mortes e contaminações que nos assolam diariamente, e que também dela claramente resultam.  Falamos de mortes, de uma doença que se alastra, de muitas pessoas com sequelas, da falta de uma política de vacinação nacional e una.  Da falta de insumos hospitalares, leitos, oxigênio. Falamos da tentativa de estrangular a liberdade. De um país com a economia claudicante e sem rumo, com a miséria alastrada. Falamos de um país onde seres do mal, de ódio, aprofundam as feridas, ameaçam, sem compaixão, apoiados por robôs que os alimentam desse fel. Isso não vai acabar bem.

Ando, e creio que muitos de vocês também, muito aborrecida e atônita com o momento tenebroso que vivemos, em todos os sentidos. Querendo agir, mas não sabendo exatamente como; além dos textos, artigos, comentários, explicações, queria poder mais, chegar mais longe com minha voz, propor ações mais efetivas. Mas é como se todos estivéssemos amarrados ou rodando em círculos. Isolados, se conscientes, sabemos que não podemos ir às ruas. O som das panelas e das janelas apenas nos diverte um pouco e desanuvia. Parece, e isso é terrível, que nos sobra ficar xingando o homem de tudo quanto é nome, espalhar os memes, as charges. E protestar nas redes sociais. Mas isso é muito pouco quando já ocorrem prisões e pressões em cima de quem se manifesta, mesmo que apenas com uma faixa de pano.

Assistindo à live de lançamento do livro “Um mar vivo de corações expostos” (***), seleção de crônicas de quatro amigas jornalistas, ouço uma delas falando sobre a atividade de escrever crônicas. Como nós, cronistas, nos inspiramos. Ela citou as rosas de um jardim, o cotidiano simples, o que vemos à nossa volta. Chorei. Porque o que tenho visto à volta, quando busco o tema do artigo semanal, cada vez mais se afasta do que eu tanto gostaria que fosse inspiração - aos temas do comportamento que me são caros! Como a questão feminina, sexualidade, imprensa, histórias vividas, literatura, mas isso tudo, tão importante, acaba ficando em segundo plano porque precisamos voltar ao campo de batalha para evitar que o país mergulhe novamente em anos de horror e ainda mais retrocesso.

À esta altura da vida, depois de passar toda uma fundamental fase da vida perturbada por uma ditadura militar, agora já chegando à terceira idade, dói muito ver esse horror todo sendo novamente, em 2021, festejado a 31 de março, aplaudido pelo ser de tantos adjetivos, que não sabendo o que fazer, inábil e despreparado para o cargo ao qual foi alçado, junto ainda com toda uma família tão problemática quanto ele, traz tanta desilusão a todos. Aos que nele votaram, enganados, e que hoje entre os mais indignados conseguem ver que as promessas eram balelas.

Aos que tentaram, desde bem antes, avisar sobre o desastre que se aproximava com a polarização entre o ruim e o pior, e entre os quais me incluo, ao sentir o quanto tínhamos razão, resta – pelo menos por enquanto – manter a sirene ligada, e nas expressões faladas em todo o país, definir o que ele é, e isso ainda é muito pouco.

Mais sugestões, sobre o que ele é? ( _______________________)

Expressões escolhidas por Mariliz Pereira Jorge, em artigo na Folha de S. Paulo: “Ignóbil. Basculho. Baixo. Repugnante. Canalha. Deplorável. Mesquinho. Patife. Ordinário. Reles. Pulha. Sórdido. Torpe. Velhaco. Abominável. Detestável. Ralé. Biltre. Infame. Bandalho. Aberração. Calhorda. Desprezível. Pífio. Ignorante. Vil. Ribaldo. Soez. Jacodes. Cafajeste. Bronco. Inculto. Boçal. Néscio. Estúpido. Rude. Verme. Desgraçado. Maldito. Jumento. Monstruoso. Sádico. Burro. Insensível. Mentecapto. Demônio. Desalmado. Incapaz. Covarde. Crápula. Incompetente. Doentio. Sociopata. Peste. Idiota. Energúmeno. Reaça. Desequilibrado. Imoral. Rato. Mandrião. Beócio. Abjeto. Descarado. Pusilânime. Enxurro. Choldra. Gentalha. Labrusco. Desrespeitoso. Cruel. Facínora. Atroz. Maligno. Cafona. Execrável. Infando. Nefando. Abominável. Inclemente. Mau. Sicário. Viperino. Tirano. Impiedoso. Desumano. Malfeitor. Celerado. Estrupício. Chorume. Louco. Escroto. Lixo. Inútil. Escória. Ogro. Mitômano. Ególatra. Tosco. Verdugo. Mentiroso. Asno. Babaca. Déspota. Autoritário. Morte. Opressor. Tapado. Mandão. Autocrata. Desnecessário. Safardana. Prepotente. Abusivo. Injusto. Reacionário. Fascista. Cínico. Animal. Desaforado. Histrião. Grosseiro. Vulgar. Malandro. Inconveniente. Sujo. Sem-vergonha. Obsceno. Brega. Charlatão. Perverso. Monstro. Ditador. Embusteiro. Horrível. Desnaturado. Carrasco. Egocêntrico. Mariola. Salafrário. Imbecil. Lunático. Bufão. Garganta. Farofeiro. Farsante. Oportunista. Indefensável. Broxável. Carniceiro. Irresponsável. Excrementíssimo. Marginal. Praga. Traiçoeiro. Criminoso. Terrorista. Asqueroso. Cu de boi. Podre. Capiroto. Embuste. Lazarento. Indecoroso. Desmoralizado. Imprudente. Maléfico. Parasita. Delinquente. Seboso. Coisa-ruim. Quadrilheiro. Arrombado. Mau-caráter. Frouxo. Fracassado. Ressentido. Obtuso. Boçal. Brutamontes. Cavalgadura. Descortês. Lorpa. Pateta. Cretino. Parvo. Pacóvio. Inapto. Desqualificado. Pequi roído. Genocida.”
Expressões escolhidas pelo advogado paraibano Olimpio Rocha: "Abigobal. Zé Mané. Zé Ruela. Abestalhado. Otário da bocona. Mané de bota. Chupa-cabra. Cri-cri.  Malassombro. Mequetrefe. Frouxo. Rascunho do mapa do inferno. Fi dum que ronca e fuça. Fi da peste. Orelha seca. Pangaré. Catingoso. Fedorento. Peidão. Mistura de jabaculê com cobra d’água. Cara de tabaco. Tabacudo. Zarolho. Ratoeira. Requengelo. Malacabado. Xexeiro. Infeliz das costa oca. Cão dos inferno. Cachorro da moléstia. Sapo cururu. Chibata. Carai de asa. Asilado. Sibito baleado. Bocoió. Cara de fuinha. Mamulengo. Piranqueiro. Amarrado. Bicho véi leso. Catarrento. Arengueiro. Zambeta. Zureta. Xoxo. Peste bobônica. Bexiga lixa. Bexiga taboca. Goguento. Cara de butico. Bexiguento. Troncho. Sobejo. Afolosado. Batoré. Bisonho. Brebote. Espinhela caída. Fuleiro. Folote. Fubento. Malamanhado. Miolo de pote. Fi duma égua. Mundiça. Roscói. Truscui. Despombado. Inhaca. Cambão. Encangado com Satanás. Gabiru. Mazela. Gasguito. Gastura no pé do bucho. Bucho de soro. Não tem no cu o que o priquito roa. Catrevagem. Do tempo do ronca. Doido bala. Catraia. Cão chupando manga. Febre do rato. Febre tife. Não vale um cibazol. Besta amojada. Desmilinguido. Peitica. Ingembrado. Não dá um prego numa barra de sabão. Preguento. Presepeiro. Frangueiro. Topada no dedo mindinho. Cancro. Bicho véi paia. Donzelo. Cruzeta.  Apombaiado. Peba. Fuleiragem. Aluado. Cu de novelo. Cu de boi. Miguezeiro. Cabrunco. Farrapeiro. Rafamé. Alma sebosa. Bocó. Mancoso. Morgado. Cabra bom de peia. Mouco das oiça. Bom pra rebolar no mato. Ariado. Bate fofo. Entojo. Abilolado. Xeleléu. Visagem do capeta. Velhaco. Tamborete de cabaré. Sem futuro. Saliente. Seborreia. Pomba lesa. Empata foda. Perebento. Ferida lambida. Papangu. Monga. Laurça. Buchada azeda. Maluvido. Grudento. Langanho. Juda. Garapeiro. Fi do cranco. Fi da gota serena. Fiofó de macaco. Resto de sulanca. Encruado. Cheio de verme. Engilhado. Encardido. Enjeitado. Cabuêta.  Jaburu. Caxumbeiro. Virado no satanás. Aperreio no juízo. Filhote de lombriga. Marmota. Não vale o peido duma jumenta. Babão de milico. Papa-figo. Véi do saco. Cafuçu. Garapeiro. Inferno da pedra. Mói de chifre. Quentura do pingo da mei dia. Remelento. Rola-bosta. Genocida."

______

(***) “Um mar vivo de corações expostos”, seleção de crônicas de Teresa Ribeiro, Nanete Neves, Eliana Haberli, Elizabeth Lorenzotti, Editora Lavra, 2021

___________________________________________________

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto.  (Na Editora e na Amazon). marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves
No Twitter: https://twitter.com/MarliGo