Capa

Mulheres, ação! Reação! Por Marli Gonçalves

01.07.2022  |  46 visualizações

Mulheres, meninas, avante! Que últimos dias horríveis passamos. Confesso que me sinto mal, irritada, à flor da pele, e extremamente enojada com tanto desrespeito ao que nos é tão caro, precioso, o respeito ao nosso corpo e à privacidade, à nossa segurança. Especialmente desrespeito contra nossas conquistas. Continuaremos avançando, mas precisamos estar unidas, contra esses (e infelizmente, algumas “essas”) escroques que ainda não viveram ou entenderam como é exatamente a realidade de nossa existência

mulheres

Os mesmos mentores de gente tão desqualificada para cargos públicos de tanta importância e poder se arvoram em tentar mudar leis para as conquistas nas quais verdadeiramente sangramos, tantas morreram, dedicaram suas vidas. A violência contínua tentando barrar o nosso crescimento e capacidade de atuação na sociedade como um todo, nossa liberdade assusta e eles reagem tentando nos massacrar e conter de alguma forma. Onde erramos e deixamos essa turba agir – e tão abertamente?

Tanta ignorância junta. Às vezes acho que eles, por exemplo, acham que nós, mulheres, adoramos fazer sexo, engravidar e abortar, jogar fetos fora, como se isso não fosse nada, fosse uma simples decisão. Fazem desse momento tão delicado na vida de qualquer mulher um tenebroso festival de tortura, perigos, ilegalidade. Na verdade, querem – e esse querem é ainda de toda uma sociedade conservadora e masculina - nos impor a maternidade a todo e qualquer custo, mesmo até que ela tenha sido proveniente de um estupro, e o que ocorre diariamente com mulheres de todas as idades, inclusive meninas-criança, meninas com toda uma vida a passar, como assistimos horrorizadas em dois casos tornados públicos esses dias.

Ah, como infelizmente conheço na pele muitas dessas imposições. Esse papo de que mulher é moldada à maternidade, que é menor se não tiver um homem em seu comando. Decidida desde muito cedo a não casar e a não ter filhos só não sofri, e agradeço muito isso, pressão da minha própria e pequena família. De resto, externamente, até hoje de alguma forma sou vista - assim como várias outras mulheres que conheço e que tomaram a mesma decisão em algum momento – como espécies femininas de segunda classe. Barquinhos à deriva. Isso, e mais, para não expressar aqui outros termos ouvidos com frequência, diretamente ou à boca pequena, pelos cantos.

No meio profissional, não há mulher que negue isto se for sincera, acham até que nos fazem algum favor quando nos assediam, como se devêssemos agradecer termos sido as escolhidas entre outras para aguentar alguma chantagem por ascensão profissional, na forma de apertos, passadas de mão, palavras indelicadas, convites indecorosos. Antes que me chamem de radical, ao que também já me acostumei, leia de novo. Não estou me referindo à troca de charmes e flertes obviamente existente entre os sexos, ao uso da sedução que nos é peculiar, uma de nossas armas de poder. Estou falando de imposição, e mais, afirmando o quanto ela é comum em todos os meios profissionais, cada vez mais, com a entrada de mais mulheres no ambiente, seja qual for, crescente, exponencial, capacitado, e claramente o que para eles é mortal: definitivo, sem volta.

Nesses últimos quatro anos, com a chegada ao poder desse grupo inescrupuloso, machista, arrogante, que Deus (e nós, votando) há de defenestrar daqui a três meses, mesmo que com tão poucas opções apresentadas, a situação piorou muito. Digo que piorou porque cansamos de ouvir da boca do tal presidente e companhia alusões e ataques, indiretas, palavras e gracinhas desconfortáveis, além das inaceitáveis tentativas de grave retrocesso em nossas ainda parcas conquistas. Demonstrações chulas, inclusive sobre a própria filha e a invisível primeira dama. Pelo menos aqui e ali ele é punido por isso, como no caso, esses dias, da vitória obtida pela excelente jornalista Patricia Campos Mello nas hostes judiciais, mesmo que ainda um dos desembargadores ainda tenha tido a audácia de votar contra o pedido de indenização solicitado.

Quando são descobertos em suas tramoias ficam putos, e agressivos, já não que não podem ir contra as verdades reveladas em reportagens, e foi essa, mais uma vez, a questão. Assim como agora, com o estouro do escândalo envolvendo o agora ex-presidente da Caixa Federal, e do qual ainda veremos muitos desdobramentos e novas revelações. Algumas mulheres já começam a não temer aparecer, uma puxa a outra. O legal nesse caso é que ele chega a ser didático para várias mulheres que ainda talvez tenham dúvidas quanto ao caráter dessa turba. O tal Pedro Guimarães, ou Pedro Maluco, vejam que apelido mais objetivo, já vem aquela famosa cara de culpado.

E intuição feminina, meus caros leitores, não costuma falhar.

___________________________________________________

Marli - julho CGMARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto.  (Na Editora e na Amazon). marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
No Twitter: @marligo
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves