Capa

Somos todos reféns. Por Marli Gonçalves

24.11.2023  |  158 visualizações

Se tem uma palavra da qual temos ouvido falar é essa, reféns, especialmente desde a eclosão do mais recente conflito no Oriente Médio e agora com a negociação de uma trégua e a libertação de alguns capturados de um lado, pelo Hamas; de outro, de detidos em Israel. Mas se a gente pensar bem, somos todos reféns de algo, incluindo a espera de boas notícias

reféns

Mas nem sempre temos negociadores capazes de nos libertar, como em grandes acontecimentos, como este da guerra, que movimenta países. Ou mesmo da polícia que manda oficiais treinados quando há ocorrências com reféns. Isso, claro, quando não manda atiradores de elite que resolvem a questão na bala quando as conversas emperram ou há riscos maiores envolvidos.

No nosso caso particular temos na maior parte das vezes de nos virar sozinhos. Creio que há situações que somos reféns, inclusive, de nossos próprios pensamentos e sentimentos. Muito louco isso, porque não conseguimos contê-los e são capazes de nos deixar amarrados, imóveis, e por muito tempo até consigamos nos desvencilhar deles, medos, pessimismos, controvérsias; muitas vezes nem nos damos conta de quantos algozes enfrentamos durante uma vida.

Mulheres, por exemplo, ainda são algumas das principais reféns de uma sociedade infelizmente predominantemente machista. Reféns por elas, pelos filhos, pela falta de condições gerais de combater ameaças, e em muitas histórias que diariamente vemos com algum terrível e mortal desfecho, especialmente quando tentam escapar do que, sim, pode ser considerada uma das mais violentas lutas, as vividas dentro de um relacionamento tóxico do qual tentaram de alguma forma se livrar. Não há dados reais sobre isso. Só o silêncio que paira atrás de portas e janelas fechadas e ouvidos moucos aos apelos que quando descobertos muitas vezes até causam intensa surpresa por envolverem pessoas que acreditávamos imunes. Reféns são obrigados a disfarçar sua condição, até para não sofrerem ainda mais.

Aos reféns cabe ou submeterem-se ou criarem mirabolantes planos de fuga, dos fatos, quando reais, ou dos abstratos quando se trata de questões internas, sentimentos, quando há consciência deles. E nem sempre isso acontece, bem sabemos, tantos fatores envolvidos.

Mas também acabamos reféns de coisas bobas, como a própria aparência e condição social, e o que tem sido comum nesses tempos de redes sociais onde muitos esbanjam beleza, alegria, riqueza e liberdade em imagens e relatos quase que sobrenaturais se bem analisados. Daí nascem e proliferam os golpes cada vez mais sofisticados, as cirurgias desnecessárias das quais muitos voltam piores e disformes, e até ainda mais reféns de uma sociedade, de um grupo. Podemos, como que na guerra, sermos capturados sem nos dar conta, sem violência, sem alarde. Pior, sem ajuda.

Um dos maiores temores, pelo menos de meu ponto de vista, é o de sermos capturados pela ignorância, pelas falsas promessas, como temos visto ocorrer em diversas partes do mundo, atrás de variados líderes convincentes sobre o que tanto gostaríamos de ouvir, inclusive negacionistas óbvios que utilizam artimanhas ideológicas e de convencimento, verdadeiras redes para incautos, que ainda correm o risco de idolatrar seus próprios algozes.  Daí já vimos surgirem os maiores horrores da Humanidade inclusive aqui e em outros locais onde rapidamente se espalham, buscando legiões. Vendem liberdade onde só há autoritarismo. Progresso e riquezas que só chegam, enfim, para poucos, e com custos altos para a maioria.

Muitos, líderes políticos que vendem suas próprias loucuras, no formato de mudanças. Vendem até os seus países, e avançam cada vez mais.

____________

MARLI GONÇALVES Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon).

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
No Twitter: @marligo
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves