Capa

Artigos

"Alzirinha", por Maria Helena RR de Sousa*

... a memória mais vívida vem do dia da morte de Getúlio. Voltávamos de São Paulo, de automóvel. Eu estava com 16 anos, ia no banco da frente, ao lado do motorista, o querido e saudoso "seu" Hermínio que nos serviu durante quase 20 anos, e ouvindo rádio. A mamãe ia no banco de trás...

12.09.2014  |  274 visualizações

Acabei de ler a trilogia ‘Getúlio’, de Lira Neto. É uma senhora biografia. Brilhante. Mas como nada é perfeito, tem um defeito para os leitores mais velhos: o peso de cada volume. Deve ser lido com o leitor sentado, em boa posição, com boa iluminação e apoio para o livro.

Fora esse detalhe, o volume três foi uma viagem no tempo...

Em 1945 eu estava com oito anos incompletos. Lembro vagamente de algumas conversas e discussões em reuniões de família entre Getulistas e Lacerdistas. E lembro perfeitamente de quando o Dutra fechou os cassinos, assunto que foi largamente debatido pelos mais velhos que gostavam de um joguinho e pelos que eram encantados com os lindos shows e comida de primeira, a bom preço, já que o jogo bancava os custos. É o que diziam...

Também guardei na memória a morte de dona Santinha, mulher do presidente Dutra: foi feriado escolar e as crianças gostaram disso!

Mas a memória mais vívida vem do dia da morte de Getúlio. Voltávamos de São Paulo, de automóvel. Eu estava com 16 anos, ia no banco da frente, ao lado do motorista, o querido e saudoso "seu" Hermínio que nos serviu durante quase 20 anos, e ouvindo rádio. A mamãe ia no banco de trás, cuidando para que as compras que acabara de fazer no Mercado Municipal de São Paulo não tomassem sol.

De repente, aquele ‘Atenção! Atenção!’ e o locutor anuncia a morte do presidente Vargas. Ficamos os três assustados e a mamãe logo pediu ao "seu" Hermínio que tocasse o mais rápido que pudesse para a parada na Mantiqueira, pois ela queria falar com o papai.

Lá chegando ela foi para o telefone, as linhas estavam congestionadas, mas por fim acabou por falar com o papai que pediu que ela pusesse o "seu" Hermínio ao telefone: eram instruções para que ele não passasse pelo centro da cidade e pegasse a Estrada Dona Castorina, o Alto da Boa Vista, a Estrada das Canoas, São Conrado, e finalmente Leblon, que era onde morávamos. "Seu" Hermínio o achou tenso e preocupado.

Os dias que se seguiram foram de muitas e infindáveis conversas. Como é natural, o choque foi imenso e só se falava nisso. Havia os que choravam ao mencionar o nome do presidente, os que ficavam calados, os que estavam meio sem saber o que dizer depois de tanto tempo de antigetulismo. Mas tudo misturado com a tristeza que permeava pelo Rio de Janeiro.

Por tudo isso minha memória viajou ao ler o livro de Lira Neto.

Nomes, amigos, conhecidos, políticos, jornalistas, jornais, revistas, tudo como se estivesse de novo ao vivo diante de mim. Mas com um detalhe inesperado: a figura de proa no livro, a meu ver, não é o biografado, nem outra a na ser sua filha Alzirinha.

Que maravilhosa relação pai-filha! Como se compreendiam, como se completavam, quanto carinho, quanta afeição! Mulher inteligente, herdeira do DNA político do pai, com uma cabeça privilegiada, Alzirinha troca cartas com o pai que me deixaram com uma imensa vontade que o Lira Neto, ou alguém da família, edite e publique toda a correspondência entre os dois.

Lira Neto destaca os trechos que mais interessam ao desenrolar da vida de Getúlio pós- Catete, até sua volta ao Rio já com o retrato do velho outra vez na parede.

Mas o que eu queria mesmo era ler toda a correspondência entre Pai e Filha. Deve ser uma leitura que faria bem ao nosso espírito e que daria a essa brasileira o lugar que merece: uma grande líder política, uma filha exemplar! Uma brasileira como poucas.

Rio, 11 de setembro de 2014


* Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa* - Professora e tradutora. Vive no Rio de Janeiro. Colabora para diversos sites e blogs com seus artigos sobre todos os temas e conhecimentos de Arte, Cultura e História. Ainda por cima é filha do grande Adoniran Barbosa.

NÃO DEIXE DE CONHECER O BLOG DE MARIA HELENA - SOBRE ISSO E AQUILO: mariahelenarrdesousa.blogspot.com.br

Vargas e Alzira: "Como se compreendiam, como se completavam, quanto carinho..."