Capa

Diário Grande ABC

Amanhã, o país anda ou para? Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 31 DE OUTUBRO DE 2021

29.10.2021  |  213 visualizações

PAREM

 Amanhã é o dia D: os caminhões param ou não param? Há profunda irritação dos caminhoneiros, autônomos ou donos de frota, com o Governo: as promessas do presidente Bolsonaro a eles jamais foram cumpridas. Tudo bem, não era possível cumpri-las: não há como estabelecer um piso para os fretes (sempre haverá alguém com o caminhão parado disposto a trabalhar por um pouco menos), nem subsidiar o diesel (de onde sairia o dinheiro?) ou obrigar a Petrobras a vender mais barato (seria lesar os acionistas, e é bom lembrar que a empresa negocia na Bolsa de Nova York – as indenizações lá são bem altas). Mas Bolsonaro fez as promessas. E, em todo o seu Governo, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, não parou de prometer o que não podia cumprir, tanto que a categoria não o aceita mais para negociar.

Num Brasil onde a navegação de cabotagem é pequena, onde ainda não há trilhos suficientes, o caminhão é que move as mercadorias. Paralisação de caminhoneiros paralisa o país, gera desabastecimento, provoca inflação e, o que mais dói em Bolsonaro, pode prejudicar sua tentativa de reeleição.

Aparentemente, o Governo não acredita na parada dos caminhões:  não mostrou nenhum esforço especial para apaziguar a categoria. Deve ter boas informações. Há entidades de caminhoneiros que se dizem revoltadas, mas acham que não é hora de parar. Enfim, o Brasil para ou não para? Num país em que até o passado é imprevisível, como prever o dia de amanhã?

A terra do vovô

O presidente Bolsonaro, aliás, nem está no Brasil: foi à Itália, participar da reunião do G-20, o grupo das vinte maiores economias do mundo. Mas só marcou um encontro – aliás, encontro protocolar, já que o presidente da Itália vai receber todos os participantes (o que não tem importância, já que o Governo italiano é chefiado pelo primeiro-ministro). Não aproveitará a presença dos dirigentes das maiores economias do mundo para conversar. Em compensação, visitou pontos turísticos de Roma, passará por Pistoia, onde o antigo cemitério, local de sepultamento dos soldados brasileiros mortos na luta contra o fascismo, foi transformado em ponto de homenagem à Força Expedicionária Brasileira, e irá a uma aldeia de Padua, Anguillara Veneta, de onde vieram seus antepassados, para ser homenageado.

Só passeio

Hoje, domingo, começa a Conferência do Clima em Glasgow, Escócia. Os dirigentes de 19 das 20 maiores economias do mundo foram direto de Roma para lá. Bolsonaro, não: preferiu ficar na Itália, junto com o Imposto Ipiranga, ministro Paulo Guedes. O clima da Itália é mais agradável que o da Escócia, a comida é melhor, o uísque que lá se consome é normalmente um escocês legítimo, só que em Glasgow o Brasil enfrentará problemas com os ambientalistas.

O general Mourão foi claro: em Glasgow, Bolsonaro, vilão do meio-ambiente, seria recebido com pedras nas mãos. As pedradas mudam de destino e serão atiradas no ministro do Meio Ambiente, que comanda a delegação brasileira. É ele que terá de explicar como é que, num mundo que reduziu em 7% a emissão de carbono, o Brasil emitiu mais 9%, e sem crescer.

A vida imita a arte

Um detalhe que vem passando despercebido no episódio em que o ator Alec Baldwin matou, com um tiro acidental, a diretora de fotografia Halyna Hutchin: o enredo do filme que estavam rodando, Rust (“Ferrugem”) trata exatamente de um tiro acidental e de suas consequências.

EUA x China 1

Os Estados Unidos deram 60 dias para a China Telecom Corporation interromper seus serviços no país. A medida foi tomada pela Comissão Federal de Comunicações, alegando o risco de que o Governo chinês possa usar a empresa para espionar ou interromper as telecomunicações nos EUA.

Importante: a medida mostra que o presidente Joe Biden, democrata, está mantendo a política de seu antecessor e adversário, Donald Trump, de limitar o acesso de empresas chinesas à tecnologia e ao mercado americano, por colocar em perigo a segurança nacional e pela cooperação dessas empresas com o Exército Vermelho. No Governo Trump, a China Telecom tinha sido proibida de operar no mercado americano de capitais.

EUA x China 2

A China Telecom e outra empresa chinesa, a China Unicom, operavam há vinte anos nos Estados Unidos. Em 2019, o Governo Trump rejeitou um pedido de operação no país de uma terceira operadora, a China Mobile.

De acordo com a Comissão Federal de Comunicações, “a propriedade e o controle da China Telecom pelo Governo chinês aumentam o risco para a segurança nacional”. Mais: “A conduta e comunicação entre a empresa e as agências governamentais dos Estados Unidos mostraram falta de franqueza, confiabilidade e credibilidade”. Os chineses informam que tomarão medidas para proteger suas empresas, mas ainda não se falou em retaliação.

________________________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
____________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br
---------------------------------------------------------------------------------------

Leia também...

30.11.2021
Amargas verdades. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 1º DE DEZEMBRO DE 2021

26.11.2021
Quem nunca foi quer voltar. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 28 DE NOVEMBRO DE 2021

23.11.2021
Tiros nas ferraduras. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2021

19.11.2021
Esperteza contra o esperto. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 21 DE NOVEMBRO DE 2021

Entre em contato