Capa

Diário Grande ABC

Os adeptos da Terra chata. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 3 DE NOVEMBRO DE 2021

02.11.2021  |  194 visualizações
chato - chata

A vítima já foi Elis Regina. Motivo: ela cantou o Hino Nacional num evento oficial, e por isso tentaram “cancelá-la” – na época, queriam que fosse arquivada num “cemitério de mortos-vivos”. Hoje é um jogador de vôlei que não gostou de um novo personagem, filho do Super Homem Clark Kent, que é um Super Homem bissexual. E daí? No mundo dos quadrinhos, sempre se falou de Batman e Robin, de Mandrake e Lothar, até mesmo dos Sete Anões.

Digamos as coisas com clareza: Maurício Souza, desligado do Minas Tênis Club após ter dado sua opinião, é um chato. Quem se mete na vida dos outros é chato. E se preocupar com a vida sexual de um desenho é chatíssimo. Quem lutou para desempregar Maurício Souza também é chato: como dizia Millôr Fernandes, todos têm o direito de torcer pelo Vasco na arquibancada do Flamengo. Exigir que um clube demita um atleta que é pouco tolerante só indica que os defensores da tolerância são intolerantes com os dissidentes.

Acabo de rever o vídeo do Festival da Record de 1967. É um espetáculo de tolerância: o jornalista Randal Juliano, favorável ao regime militar, em conversa amigável com Chico Buarque, Caetano e Gil, que o regime militar exilaria. É também um espetáculo de intolerância: a plateia impedindo o bom compositor Sérgio Ricardo de participar da disputa, com vaias que o levaram a quebrar o violão e jogá-lo no público. Foi o ponto feio de um belo show.

Tolerância é tolerar quem discorda de nós. O contrário é intolerância.

A censura...

Por um bom tempo, a censura era a marca dos regimes autoritários e de seus seguidores. De repente, virou regra quase geral: Fulano adorava Chico Buarque, mas agora não o aguenta mais, por divergir de suas opiniões sobre a Venezuela e Cuba; Sicrano se recusa a admitir a competência de Nelson Piquet, três vezes campeão mundial de Fórmula 1, porque ele é bolsonarista.

...de volta

As coisas vão mais longe: uma pessoa que sequer sabe a diferença entre uma gripe e um resfriado opina sobre médicos que receitam (ou não) cloroquina e ivermectina para Covid. Médicos cuja opinião eu respeito não as indicam; mas transformar em vilões os profissionais que, à falta de alternativa, tentam utilizá-las, cheira a fundamentalismo. Este colunista sempre foi gordo. Nem se tente imaginar o que já tomou, indicado por médicos de boa reputação, e com aprovação de Anvisa, FDA e tudo. E, como é comum, continuo gordo.

 Os médicos agiram de boa-fé, de acordo com o que se conhecia na época. Neste paciente não adiantou. Mas, em algumas pessoas, funcionou. Não havia censura e alguns, ao menos, se beneficiaram.

Kassab em ação

O apresentador José Luiz Datena anunciou sua entrada no PSD. Deixa, portanto, de ser candidato à Presidência (o partido pretende lançar Rodrigo Pacheco, hoje presidente do Senado). Seu alvo agora é o Senado, na chapa de Geraldo Alckmin, que também deve entrar no PSD para se candidatar ao Governo paulista. Gilberto Kassab, fundador do PSD, monta o esquema: São Paulo é o décimo Estado em que o partido se apronta para indicar um nome para a Presidência que possa competir com Lula e Bolsonaro. Kassab espera ter candidatos ao Governo em 17 Estados, dando apoio a seu candidato de centro a presidente. Segundo diz, não fará aliança com Bolsonaro nem Lula: irá conversar com outros partidos e lançar um candidato viável contra ambos.

Moro de volta

Quem também irá testar suas possibilidades eleitorais é Sergio Moro, pai da Lava Jato e ex-ministro da Justiça de Bolsonaro (que lhe prometeu carta branca, na qual ele acreditou). Moro e a empresa de consultoria em que ficou algum tempo, a americana Alvarez & Marsal, decidiram de comum acordo rescindir seu contrato em 31 de outubro. O Podemos, partido de Álvaro Dias, senador pelo Paraná, anunciou a filiação de Moro no dia 10 de novembro, às 9 horas da manhã, em Brasília.

A Alvarez & Marsal explicou a rescisão de contrato: não mantém em seus quadros pessoas que tenham vida pública.

Novos rumos 1

Álvaro Dias e o Podemos querem que Moro saia candidato à Presidência. Seu nome é conhecido, tem apoio em amplos setores da população, algumas pesquisas o colocam em terceiro lugar, embora bem abaixo de Bolsonaro e de Lula – mas, acredita-se, deve subir a partir do momento em que assumir sua candidatura à Presidência. Moro tem outra possibilidade, caso se torne claro que não tem possibilidades de passar ao segundo turno: caso Álvaro Dias, que completará 78 anos logo após as eleições, decidir não disputar a reeleição para o Senado, abrirá uma vaga que Moro pode aproveitar.

Mas não é essa, ao menos por enquanto, a intenção do partido: é usar Moro como bandeira para forjar novas alianças e disputar mesmo a Presidência.

Novos rumos 2

O vice Mourão deve se candidatar ao Senado pelo Rio Grande do Sul.

 ________________________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
____________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br
---------------------------------------------------------------------------------------

Leia também...

30.11.2021
Amargas verdades. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 1º DE DEZEMBRO DE 2021

26.11.2021
Quem nunca foi quer voltar. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 28 DE NOVEMBRO DE 2021

23.11.2021
Tiros nas ferraduras. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2021

19.11.2021
Esperteza contra o esperto. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 21 DE NOVEMBRO DE 2021

Entre em contato