Capa

Diário Grande ABC

Cem anos de perdão. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 14 DE NOVEMBRO DE 2021

12.11.2021  |  156 visualizações

perdão - algemas abertas

Perdão não é a palavra juridicamente correta. Mas, na prática, os processos contra Lula, 76 anos de idade, têm de voltar ao começo, para um dia desses, quem sabe, chegar a uma conclusão. Até o neto dos atuais juízes proferir a sentença, Lula é ficha limpa – tão limpa quanto a de Flávio Bolsonaro, cujo processo sobre rachadinhas ficou para lá, ou a do presidente da República, que não enfrentará ação por usar métodos irregulares na campanha porque as próximas eleições estão logo aí, mas nas quais a Justiça promete punir quem cometer irregularidades que já estavam fora da lei quando ele foi eleito.

Aliás, os dois candidatos ficha-limpa já se enfrentaram neste ano, na disputa pelo apoio de Valdemar Costa Neto, que foi condenado pelo Mensalão e passou algum tempo na prisão por isso. Costa Neto apoiou Lula e Dilma, agora apoia Bolsonaro; e, no livre exercício de seu comando sobre um partido, enfrentou Ciro Nogueira, do PP, aquele que chamava Bolsonaro de fascista e hoje é homem forte de seu Governo, ambos abrindo as portas de suas legendas para filiar o presidente. Segundo Bolsonaro, Valdemar tem 99% de chances de ter ganho a disputa contra Ciro. Mas, se não me falha a memória, em qualquer dos casos Bolsonaro controlará a sigla, mas sem acesso aos fundos de campanha. Ciro e Valdemar podem não ser os políticos ideais, mas burros é que não são. Seus cofres não têm porta de saída.

Dúvida: nessas negociações todas, quem é que busca cem anos de perdão?

Memorex nele

Aí entra Sergio Moro na disputa. Em sua primeira grande entrevista após ter entrado num partido político, que anuncia sua candidatura à Presidência, Moro revela um sério problema de memória: ele sempre disse que não era nem seria político, sempre disse que seu objetivo não era ser presidente. Bom, já há algum tempo virou político, ao aceitar o convite de Bolsonaro para ser ministro da Justiça. E, na entrevista à Folha de S.Paulo, disse que seu projeto de país já existia há tempos, aguardando “o momento certo”. Falha de memória: se ele não queria ser político nem presidente, para que criou um projeto de país?

E que “momento certo” era esse que aguardava?

Marechal de toga

Um dos pontos mais importantes da entrevista de Moro passou batido. Só um colunista, Reinaldo Azevedo, parece ter percebido o quanto é ditatorial. Moro se propõe a criar, sem demora, uma Corte Nacional Anticorrupção, espécie de Lava Jato acima do Poder Judiciário.

Talvez Moro não tenha percebido que esse mecanismo já existiu durante a ditadura militar. Era a Comissão Geral de Investigações, CGI, sob o comando do marechal Estevão Taurino de Resende Neto (e, depois dele, do almirante de Esquadra Paulo Bosísio, que mais tarde seria ministro da Marinha). Funcionou? Depende: o ex-governador Leonel Brizola, adversário do regime, foi investigado. Já as acusações contra Antônio Carlos Magalhães e José Sarney foram esquecidas. Eram aliados. A CGI, com poder ilimitado, teve resultados pífios. Crime não se combate com tribunal de exceção, mas com trabalho diário. O problema é que trabalhar não rende fotos, nem viagens, ou diárias. Trabalhar dá trabalho.

Presitour

Bolsonaro deve embarcar nesta semana para o Oriente Médio. Participa da ExpoDubai, da inauguração da embaixada em Manama, capital do Bahrein, e passa pelo Qatar. A parte importante da viagem foi cancelada: a ida ao Iraque, para discutir compras de petróleo. O cancelamento foi motivado por questões de segurança: no dia 6, houve um atentado contra o primeiro-ministro iraquiano Mustafá al-Khadimi (que nada sofreu).

Dúvida 1

Comprar petróleo? E a autossuficiência anunciada desde o Governo Lula?

Dúvida 2

Já que estará no Oriente Médio, como anda a transferência da Embaixada do Brasil em Israel, de Tel Aviv para Jerusalém? É promessa de campanha.

Prioridades

A viagem de Bolsonaro é também um presente para seu superministro Paulo Guedes, que deve acompanhá-lo. Guedes já enviou ofício à Câmara informando que, por estar em viagem com o presidente, não poderá depor no dia marcado, depois de amanhã, sobre sua off-shore – empresa montada num paraíso fiscal, as Ilhas Virgens. Mas o superministro ganhou apenas algum tempo: seu depoimento foi remarcado para o dia 23.

Tempos de ódio

O colunista Gustavo Alonso, da Folha, disse que Marilia Mendonça vivia em luta com a balança, mas fazia um regime radical e perdia peso. Um manifesto com 908 assinaturas diz que há gordofobia e machismo e exige desculpas do jornal e demissão do colunista.

Dá para aguentar?

CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
___________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
NO TWITTER:  @ChumboGordo
__________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann

Leia também...

30.11.2021
Amargas verdades. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 1º DE DEZEMBRO DE 2021

26.11.2021
Quem nunca foi quer voltar. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 28 DE NOVEMBRO DE 2021

23.11.2021
Tiros nas ferraduras. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2021

19.11.2021
Esperteza contra o esperto. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 21 DE NOVEMBRO DE 2021

Entre em contato