Capa

Diário Grande ABC

Gastando sola. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 12 DE DEZEMBRO DE 2021

10.12.2021  |  192 visualizações

Sola de sapato

 

Sergio Moro voltou disposto: está circulando sem parar desde sua volta ao Brasil e, livre para fazer campanha, é o candidato que mais tem crescido nas pesquisas. Bolsonaro caiu muito, mas conseguiu deter a queda e obteve até alguns pequenos ganhos, embora com rejeição e desaprovação altíssimas. Lula subiu muito, mas sua alta se deteve – talvez esteja próximo do teto, e daí não passará a menos que derrube seus índices de rejeição. João Doria, como governador, tem limites de campanha, e deles só ficará livre por volta de abril, quando terá que deixar o cargo. Mas, mesmo levando tudo em conta, já deveria estar oscilando para cima nas pesquisas, e não está. Hoje, há três candidatos viáveis (é um retrato do momento: daqui a quase um ano, a foto deve ser outra e pode perfeitamente mostrar uma situação diferente).

Lula vem fazendo muita articulação política, tentando de um lado segurar a extrema esquerda (com elogios à ditadura nicaraguense, visita à Argentina para conversar com o presidente Alberto Fernandez e os kirchneristas) e de outro mostrar-se aberto a ideias de centro (com o convite a Geraldo Alckmin para que se una à sua campanha).

Bolsonaro faz campanha abertamente, sem maiores preocupações com a lei. Moro conversa em todas as áreas e tenta atrair candidatos centristas para apoiá-lo como cabeça de chapa. Ele se coloca como candidato de centro (ou centro-direita, bem direita). Tirando algumas coisas (como armas) Bolsonaro poderia fazer a mesma campanha.

 Exposição

Moro jantou há dias com o tucano (e ex-bolsonarista) Paulo Marinho, no Fasano, frequentado por gente de dinheiro. Mal pôde jantar, de tanta gente que foi cumprimentá-lo. Até um ministro de Bolsonaro, Tarcísio de Freitas, passou por sua mesa. Tarcísio é o candidato dos sonhos de Bolsonaro ao Governo paulista.

Ainda resiste: nem sabe onde ficam as praias da capital, mas está sendo ciceroneado pelo ex-ministro Ricardo Salles, que deve sair candidato a deputado federal. Ao contrário de Moro, Tarcísio jantou bem: não havia tanta gente assim que soubesse quem era para ir cumprimentá-lo. Salles fez mais sucesso, como amigo de boa parte dos frequentadores.

 Estratégia lavajatista

Caso Moro consiga tomar o lugar de Bolsonaro no segundo turno estará em ótima posição: poderá receber os votos antipetistas. O voto bolsonarista tenderá para ele: por mais ódio que tenham de um ex-ministro que ousou desafiar o Mito, qualquer voto que não seja nele beneficiará Lula, que até hoje é considerado por eles o principal inimigo. E o que defende é parecido com boa parte das teses do presidente.

Como disse dona Rosângela, ela sempre viu Moro e Bolsonaro como se fossem uma só pessoa. Dona Rosângela é a mulher de Moro. Acha que o cônjuge pensa como Bolsonaro.

 Conge vermelho

Com a fala arrastada, que lhe rendeu o apelido de Marreco de Maringá, as falhas de pronúncia se destacam mais – falhas como a de chamar a cônjuge de “conge”). Acabam as semelhanças nas ideias e na dicção? O ex-ministro Ricardo Salles disse, na Jovem Pan, que Moro é comunista. Não, Moro não deve se achar comunista. Lembra, para quem tem mais idade, os udenistas – sem o brilho de um Carlos Lacerda, longe dos conhecimentos jurídicos de Mílton Campos e Adauto Lúcio Cardoso, mas com o moralismo à flor da pele, pronto sempre a apontar as falhas de caráter dos outros.

Lula, a Metamorfose Ambulante, tem seus momentos de Getúlio Vargas, Bolsonaro é um Plínio Salgado que deu certo (embora provavelmente nem saiba quem foi Plínio Salgado), Moro é a UDN que agora temos. O Brasil vive hoje o fim da primeira metade do século 20, setenta anos mais tarde.

 A grande frase

Do jornalista Josias de Souza, blogueiro da Folha e do UOL: “(...) o resto do mundo, ao observar o casamento do líder da holding da rachadinha com o PL do ex-preso Valdemar, já enxerga pus no fim do túnel”.

 O balanço das urnas

A pesquisa foi publicada há alguns dias, mas o importante é a bela análise que a revista eletrônica JOTA fez dos números, usando a ferramenta Agregador, que cruza dez mil pesquisas efetuadas desde o Governo Sarney.

Com base nesses dados, JOTA nota que o patamar de avaliação positiva de um presidente candidato à reeleição geralmente se mantém na eleição seguinte. A mediana de aprovação de Bolsonaro em 3/12 está em 23,3%. E daí? JOTA explica: “Dessa forma, é provável que Bolsonaro amealhe votação próxima. Pela ferramenta, que traça um quadro mais preciso, já que reúne diferentes levantamentos e metodologias, Lula tem 42% das intenções de voto, Bolsonaro fica com 26% e Moro com 13%. Nesse cenário, Lula teria 99% de chances de vitória em segundo turno”.

É um excelente material para que os estrategistas de campanha elaborem seus planos. Mas não se deve esquecer que a pesquisa que vale é a das urnas.

________________________________________________

CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
NO TWITTER:  @ChumboGordo
____________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

Leia também...

25.01.2022
Um tesouro de votos. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 26 DE JANEIRO DE 2022

21.01.2022
Todo Bolsominion tem razão. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 23 DE JANEIRO DE 2022

18.01.2022
Amanhã já será outro dia. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 19 DE JANEIRO DE 2022

14.01.2022
Dindin, um pro voto e um pra mim. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 16 DE JANEIRO DE 2022

Entre em contato