Capa

Diário Grande ABC

Verdades secretas. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 2 DE JANEIRO DE 2022

31.12.2021  |  218 visualizações
 

VERDADES

Ontem, 1º de janeiro, foi Dia da Confraternização Universal. No entanto, as incessantes críticas a Bolsonaro não cessaram. O motivo é que, enquanto a Bahia sofre com as enchentes, Sua Excelência fica de férias, com nutrida e feliz comitiva, nas belas praias de São Francisco do Sul, Santa Catarina.

Quanta perseguição! Espalha-se nas redes sociais um hashtag ofensivo, o #bolsonarovagabundo, só porque o presidente prefere ficar de férias no Sul a enfrentar, ao vivo e em cores, a tragédia que ocorre no Nordeste. Só que...

*Bolsonaro já esteve na Bahia, em Itamaraju, há pouco menos de um mês. Foi quando sua segurança agrediu repórteres da TV Bahia, lembra-se?

*Ele não está pessoalmente no local da tragédia, mas mostra em atitudes sua solidariedade. Passa boa parte do tempo dentro d`água, ocupando gente e equipamentos da Marinha, que poderiam estar lá, e simbolicamente estão;

*É melhor que fique longe, para não atrapalhar o serviço.

E não é verdade que Sua Excelência tenha se recusado a exercer as sempre exaustivas tarefas que lhe competem para ficar só descansando. Pois fiquem sabendo que o Mito gastará um de seus dias de descanso cansando-se pelo bem da população. Já na próxima quinta-feira, confirma seu assessor especial tenente Mosart Aragão, Bolsonaro participará de um futebolzinho solidário em Buriti Alegre, Goiás, com os cantores Gusttavo Lima, Bruno e Marrone.

E agora, maledicentes, joguem ao mar a hashtag #bolsonaro vagabundo.

Questão de preço

O problema dos críticos do Mito deve ser inveja: só porque vai passear em todo feriado prolongado, com fartas comitivas, amigos, família, e tudo por conta do dinheiro dos impostos, querem controlar suas despesas.

Simples: as do ano passado custaram R$ 2.452.586,11, segundo dados oficiais. Quem não gostaria de ter férias dessas sem ter de pagar por elas?

Hora do Brasil

Em 7 de setembro de 1822, d. Pedro proclamou a Independência do Brasil, até então parte do Reino Unido de Portugal e Algarve. Salvador, na Bahia, foi mantida sob controle por forças portuguesas, comandadas pelo general Madeira de Melo, e só se uniu ao Brasil independente em 2 de julho de 1823, quando os comandantes das forças brasileiras (ambos europeus: o almirante inglês Thomas Cochrane e o general francês Pierre Labatut, trazidos por d. Pedro) receberam a rendição do general Madeira.

Neste ano, o Brasil completa 200 anos de independência. Em São Paulo, será reinaugurado o Museu do Ipiranga, restaurado e modernizado. E no Brasil?

Retomar o caminho

Para o Brasil, uma sugestão do sempre excelente colunista Elio Gaspari (publicada em 29 de dezembro na Folha de S.Paulo e O Globo):

Parece pouca coisa, mas será uma oportunidade para se pensar numa terra que resolveu andar para a frente com seus 4,7 milhões de habitantes. A máquina do tempo levará os curiosos de 2022 a um bonito momento. No mínimo, livrará os viajantes da mediocridade presente.

 “Em agosto de 1822, {José} Bonifácio redigiu um manifesto às nações amigas. Parece pouca coisa, mas vê-se o seu tamanho quando se sabe que, passados dois séculos, sem motivo plausível, o Brasil encrencou com China, Estados Unidos, França e Chile, noves fora a má vontade com as vacinas, questão pacificada antes mesmo de 1822 pelo pai de Pedro.

 “D. João 6º criou a Junta Vacínica para conter a varíola. Afinal, ela havia matado o seu irmão. Desde 1817 vacinavam-se crianças no Rio.”

Claro, claro

Tudo bem, cada petista pode pensar o que quiser, desde que faça o que seu ídolo máximo, o ex-presidente Lula, determina que seja feito. Mas vale como curiosidade: José Genoíno é um dos petistas que mais resistem à união entre Lula e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin. Tem prestígio no partido, do qual foi fundador e presidente; quando enfrentou dificuldades enfrentou-as sozinho, não delatou ninguém.

Sem dúvida o partido fará o que Lula quiser. É interessante ler os argumentos de Genoíno (expressos numa live com gente do PSOL) e, mais interessante ainda, entendê-los: "O que está em jogo é se a esquerda socialista será protagonista do enfrentamento do neoliberalismo ou se a esquerda será domesticada, domada para um projeto de melhorismo por dentro de um neoliberalismo com feição progressista”.

Deltan em julgamento

Levou cinco anos, mas a ação de indenização proposta por Lula contra Deltan Dallagnol deve entrar na pauta do Superior Tribunal de Justiça agora em fevereiro. O caso se refere à entrevista coletiva (com PowerPoint) em que o então procurador da Lava Jato colocava Lula no centro de articulações que considerava criminosas. Na opinião de Lula, houve abuso de autoridade.

___________________________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
NO TWITTER:  @ChumboGordo
____________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br 

Leia também...

25.01.2022
Um tesouro de votos. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 26 DE JANEIRO DE 2022

21.01.2022
Todo Bolsominion tem razão. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 23 DE JANEIRO DE 2022

18.01.2022
Amanhã já será outro dia. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 19 DE JANEIRO DE 2022

14.01.2022
Dindin, um pro voto e um pra mim. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 16 DE JANEIRO DE 2022

Entre em contato