Capa

Diário Grande ABC

Histórias que vi e ouvi. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 5 DE JANEIRO DE 2022

04.01.2022  |  164 visualizações
VI E OUVI

Anteontem, dia 3 de janeiro, completei meus primeiros 58 anos de jornalismo, iniciados na Folha de S.Paulo. Ainda estava no curso colegial e tinha muita sorte, que me levou a conviver e aprender com Woile Guimarães, Rolf Kuntz, Renato Pompeu, Murilo Felisberto, Ewaldo Dantas Ferreira, Nahum Sirotsky, Alberto Dines, Isaac Jardanovsky, Gabriel Manzano Filho, Bóris Casoy, Jorge de Miranda Jordão – e ainda me tratavam como colega!

Sorte faz parte do jogo. No dia em que os sequestradores devolveriam o embaixador americano, no Rio, eu estava escalado para ficar no portão. Chatíssimo: o carro entraria em alta velocidade, mergulharia numa garagem subterrânea e, longíssimo, apareceria uma figura na janela, acenando. Chega então o Fernando Bê – hoje o festejado biógrafo Fernando Morais. Dois do mesmo jornal no mesmo lugar? Não: fui para um endereço onde diziam ter achado uma Kombi cheia de armas. Cheguei instantes antes da repressão. Um grupo achava que eu era do outro e eu achava que o noticiário estava liberado, pois respondiam a tudo o que eu perguntava. Quando descobriram, me tomaram as anotações e me mandaram embora, proibindo que escrevesse.

A ditadura ainda não tinha mostrado todos os dentes. Ruy Mesquita, do JT, disse para mudar de hotel naquela noite e escrever. O jornal publicou sozinho, a Polícia foi me buscar no hotel, eu não estava. Esqueceram-me. E, tempos depois, um notável legista me deu provas de assassínio por tortura.

No lugar certo

O corajoso legista Rubens Pedro Macuco Janini fez o atestado de óbito correto de Chael Charles Schreier, meu primo. Decifrando o atestado de óbito, ficou claro que tinha sido morto por tortura. O Estadão deu editorial, Veja entrou firme, a imprensa do Primeiro Mundo recebeu a documentação. Sorte? Um grande jornalista da Associated Press, Joseph Novitsky, sabia que era tudo verdade. Espalhou a notícia e os documentos pelos clientes da AP. Sorte – mas há anos, no JT, trocávamos boas informações com ele.

Assistindo a tudo

Como costumava dizer o proprietário da Folha, Octavio Frias de Oliveira, a vantagem de ser idoso é ter visto tudo acontecer e o contrário também. Vi Sarney, presidente da Arena, o partido pró-ditadura, virar vice de Tancredo, o candidato de oposição. Vi Renan, inimigo de Sarney, virar seu aliado (e de Lula também). Vi Bolsonaro elogiando o ditador venezuelano Hugo Chávez, votando em Lula e dizendo que todo milico tem algo de comunista. Vi que os elogios de Bolsonaro aos torturadores não impediram inimigos da tortura de votar nos candidatos que o presidente indicou para controlar o Congresso.

Alckmin vice de Lula? Coisa comum: tempos idos e vividos.

Feliz 2022

Tirando o último algarismo do ano, que é que vai mudar? Continuamos com 35 partidos, todos muito bem mantidos por nosso dinheiro. Há duas greves em formação no serviço público: uma no Banco Central, outra na Receita – nos dois casos, tudo se inicia com a renúncia de quem ocupa cargos de chefia e a recusa dos subordinados de substituí-los.

A insatisfação tem a mesma raiz tanto na Receita quanto no Banco Central: a ordem de Bolsonaro de reservar uma graninha para dar aumento aos policiais militares. Bolsonaro, a partir do momento em que assumiu, deixou clara sua opção pelos policiais e pelos militares entre todos os demais servidores públicos.

Pague mais

No meio do ano, começa a campanha bilionária com dinheiro público, com mais um incômodo: os anúncios gratuitos na TV e rádio – gratuitos para partidos e candidatos, cobrados pelas emissoras (tabela cheia, sem desconto) e pagos por nós. Mais o escandaloso orçamento secreto, que dá a partidos, senadores, deputados federais e estaduais, R$ 16,5 bilhões para gastar como quiserem em suas bases eleitorais e tendo, portanto, privilégios na luta pela reeleição. Os Estados nordestinos atingidos pelas enchentes não chegarão nem a 10% disso, somados todos os auxílios que talvez recebam.

Tá faltando um

Para completar o quadro, imagine uma eventual greve de caminhoneiros. As ameaças até agora ficaram em palavras. Mas o diesel está caro, as chuvas pioraram as estradas, a mercadoria a ser transportada é pouca. Um perigo.

E vão faltar onze

O que deve mudar em 2022 é o corpo de ministros: Teresa Cristina, da Agricultura, a mais destacada, quer se candidatar ao Senado pelo Mato Grosso do Sul (parada dura, apesar de seu prestígio e da boa gestão: Simone Tebet, do MDB, se não sair candidata à Presidência pode disputar com ela). Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura, que embora tenha sido alto funcionário de Dilma tem prestígio com Bolsonaro, pode tentar o Governo paulista, com Janaína Pascoal, deputada estadual mais votada do país, tentando o Senado; João Roma, a quem o presidente delegou o enfrentamento da crise baiana, sai numa jogada de risco, contra ACM Neto, de um lado, e o PT, de outro.

___________________________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
NO TWITTER:  @ChumboGordo
____________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

Leia também...

25.01.2022
Um tesouro de votos. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 26 DE JANEIRO DE 2022

21.01.2022
Todo Bolsominion tem razão. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 23 DE JANEIRO DE 2022

18.01.2022
Amanhã já será outro dia. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 19 DE JANEIRO DE 2022

14.01.2022
Dindin, um pro voto e um pra mim. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 16 DE JANEIRO DE 2022

Entre em contato