Capa

Diário Grande ABC

Batalha ganha, guerra perdida. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 3 DE ABRIL DE 2022

01.04.2022  |  189 visualizações

BATALHA - ELEIÇÕES 2022

Início da década de 1960. O primeiro-ministro Tancredo Neves convocou uma reunião de seu partido, o PSD, e pediu a um jovem ministro, Mauro Salles, que coordenasse tudo. No Hotel Nacional de Brasília, alguns dos mais importantes políticos do país. Bom uísque, bons tira-gostos, conversas sobre tudo, menos política. A horas tantas, todos foram embora. Tancredo ligou para o lendário Benedito Valladares, cacique-mor do partido, e disse que a reunião tinha sido ótima. Comentou as principais decisões – e Mauro Salles, perplexo, não tinha visto nem ouvido nada. Disse isso a Tancredo. E o sábio mineiro explicou: político bom decide primeiro e faz a reunião depois.

A falta que faz uma boa cabeça política! Doria fez que foi, não foi, no fim ficou onde estava, feliz com uma carta em que o PSDB confirmava sua candidatura. Confirmou, é verdade. O problema é que Doria acreditou. O primeiro a traí-lo será Bruno Araújo, que assinou a carta. E caciques como Jereissati, Aécio, Eduardo Leite, José Aníbal e outros, protegidos pela carta, continuam buscando um candidato palatável, sabotando Doria e negando tudo. Doria foi um ótimo governador. Mas dentro do partido foi destrutivo: brigou com os caciques, com Tasso, com Alckmin – até mesmo com Bruno Araújo. Doria se comportou como se Araújo tivesse importância. E tem, mas para atrapalhar. Não valia uma briga. Em política, quem atropela os outros só ganha se nunca errar. Uma falha e os derrotados engolem o atropelador.

Os exemplos

No final daquela ditadura que Bolsonaro e Braga Netto não perceberam, o MDB se preparou para chegar ao poder. Tinha três candidatos: Tancredo, Ulysses Guimarães e Franco Montoro. E não dava briga: combinaram que, em eleição indireta, sairia Tancredo; em direta, Ulysses; e, em imprevistos, Montoro. Combinaram e cumpriram.

Em 2002, Serra era o candidato natural do PSDB. De cara afastou o presidente Fernando Henrique de sua campanha: acreditou na propaganda dos adversários. Em seguida, triturou Jereissati, que também queria disputar. E não houve quem convencesse a família Sarney de que Serra não estava por trás de uma operação policial que flagrou o marido de Roseana com um monte de dinheiro em cima da mesa. Roseana era uma candidata em ascensão e foi liquidada. Em seguida, trabalhou contra Serra.

Moro, num país ...

Sérgio Moro tinha certeza de que, no momento em que anunciasse que era candidato, já estaria entre os favoritos. Nem se preocupou, antes de sair, em melhorar o sotaque que lhe rendeu o apelido de Marreco de Maringá. Ficou no caminho. E, aproveitando a oportunidade, mudou de partido sem avisar o Podemos, que o acolhera. Seu pessoal já falou mal de Álvaro Dias, que tanto insistiu em lançá-lo candidato. Aliás, que dedo ruim o de Álvaro Dias para apontar candidatos! Foi também ele que lançou Roberto Requião.

...tropical

Na noitinha de quarta, Moro participou de uma live com empresários que o apoiavam. Disse que era candidato a presidente e iria até o fim. Foi mesmo: só que o fim ocorreu umas vinte horas depois, quando anunciou que desistia.

Mas pretende, disse, manter acesa a luta contra a corrupção (e pode até voltar a ser candidato). Tem adversários duros como ACM Neto e Ronaldo Caiado. Só que agora, no União Brasil, ele terá, como colegas de combate à corrupção, gente famosa, como Luciano Bivar, Daniel Silveira e outros.

Quem ganha?

Todos os candidatos estão cantando vitória. Mas, cá entre nós, quem iria votar em Moro pode passar para Bolsonaro? Por que não votar em Bolsonaro de uma vez, já que ambos são praticamente iguais (a opinião é da esposa de Moro, Rosângela)? Um denunciou o outro por agir ilegalmente, outro acusou o um de ser traidor. Quem não se importa com isso, agora, importava-se uns dias antes? Eleitor de Moro dificilmente escolherá Lula, claro. E Moro, que vai fazer? Presidência? Difícil. Talvez candidato a deputado federal por São Paulo. Por que não pelo Paraná, seu Estado natal, onde já é bem conhecido?

Negócios à parte

Aqueles generais que Bolsonaro fritou em seu governo certamente não o apoiarão (alguns, como o general Santos Cruz, farão campanha contra ele). Mas há surpresas: Abraham Weintraub, que foi seu ministro da Educação, que se referiu deseducadamente aos ministros do STF naquela reunião que ficou famosa), bolsonarista entre os bolsonaristas, entrou no antigo Partido da Mulher Brasileira (agora Brasil 35), querendo se candidatar a governador contra o candidato de Bolsonaro, Tarcísio Freitas. O ministro da Educação a quem sucedeu, aquele estranhíssimo colombiano, diz que Bolsonaro perdeu o rumo.

Ambos são bolsonaristas de raiz, discípulos de Olavo de Carvalho.

Um tapinha não dói

Um tapa na cara que não deixa marca, em que a vítima não dá um ai, em que a plateia (até mesmo a ofendida) ri. Será que só este colunista desconfia?

___________________________________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
NO TWITTER:  @ChumboGordo
____________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br
______________________________________________________________________

Leia também...

17.05.2022
A verdade nua e crua. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2022

13.05.2022
Chega de guerra. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 15 DE MAIO DE 2022

10.05.2022
É opinião, mas é da boa. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 11 DE MAIO DE 2022

06.05.2022
... e o mar virou sertão. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 8 DE MAIO DE 2022

Entre em contato