Capa

Diário Grande ABC

Como torram o nosso dinheiro. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 25 DE MAIO DE 2022

24.05.2022  |  113 visualizações
torram

Parabéns! Na próxima segunda-feira, dia 30, o caro leitor finalmente começa a trabalhar para manter sua família. Até lá, de 1º de janeiro a 30 de maio, trabalhou para pagar impostos. Afinal de contas, alguém tem de pagar as lagostas do Supremo, o Viagra e as próteses penianas das Forças Armadas, as férias e as picanhas de quase R$ 2 mil o quilo do presidente Bolsonaro.

O cálculo é do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário. Há outras contas como esta. O Impostômetro deste ano atingiu R$ 1 trilhão no dia 3 de maio. No ano passado, só chegou a este número no dia 19. E boa parte do comércio de Belo Horizonte decidiu tirar os impostos dos produtos no dia 2 de junho. Haverá significativa redução de preços – às vezes, mais de 50%. Remédios, por exemplo, pagam 33,87% de taxas e impostos. Pelo menos um posto vai vender gasolina 36% mais barata. Uma loja colocará à venda 200 botijões de gás de cozinha com o desconto dos impostos. Uma rede de farmácias venderá produtos de higiene com descontos de 40%.

“Os altos impostos, junto com a inflação, corroem o poder de compra do brasileiro. Caso não tivéssemos taxas tão altas ou, pelo menos, houvesse retorno em serviços públicos de qualidade como saúde e educação, a economia brasileira estaria muito mais avançada”, afirma o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte, Marcelo de Souza e Silva.

Impostos são essenciais. Mas pelo jeito estão abusando, abusando muito.

Importante

Não é todo o comércio de Belo Horizonte que irá arcar com os tributos. É bom se informar sobre quem aderiu. E comprar antes que acabe o estoque.

Tira, põe...

A troca de presidente da Petrobras não segura preços: se sobe o petróleo, cedo ou tarde o caro leitor vai pagar. Se demorar, os acionistas minoritários podem processar a empresa, cobrando os dividendos que não receberam. Mas o alvo da troca é outro: o presidente só pensa na eleição. Parte dos eleitores acreditará que Bolsonaro muda o comando da Petrobras para baixar o preço. Mas não é só isso. O ministro Paulo Guedes fala faz tempo em espaçar os aumentos, com a desculpa de “evitar que a volatilidade do mercado internacional prejudique o consumidor”.

Em bom português, estamos no fim de maio. Digamos que em junho os preços “evitem a volatilidade” e se mantenham estáveis até a eleição. Só depois voltam a subir.

...deixa ficar

Há dois problemas no caminho: o novo presidente da Petrobras precisa ser aprovado pelo Conselho, e há quem sustente que ele não preenche os requisitos das normas de governança da Petrobras; e acionistas minoritários podem processar Conselho e presidente da empresa em Nova York, onde a Petrobras está na Bolsa.

Os advogados são caríssimos, as indenizações altíssimas as multas pesadíssimas. Quem se dispõe a correr o risco pessoal?

A vez de Simone

Pela união dos partidos que não aceitam Bolsonaro nem Lula, João Doria abandonou a candidatura. Chegou a vez de Simone Tebet? Talvez: há ainda no PSDB quem queira candidato próprio, desde que não seja Doria. O nome é o de Eduardo Leite, ex-governador do Rio Grande do Sul, favorito de Aécio Neves.

Só que, em silêncio, Aécio quer Bolsonaro. Foram os bolsonaristas do Congresso que o acolheram e lhe deram um cargo importante numa comissão poderosa, que amplia seu poder de articulação. O PSDB? Ele prefere o partido enfraquecido, sem alianças, sem chances. Com isso, tira votos da Terceira Via e facilita a vida de Bolsonaro. Boa parte do PSDB fica feliz com isso: apoia Lula ou Bolsonaro, conforme o Estado, e gasta o Fundo Partidário na eleição para o Congresso.

Simone, só se crescer rapidinho.

Coração ferido

Ninguém se iluda: Doria fica no PSDB e tentará se vingar de muita gente. Ninguém espere que ele lute por Rodrigo Garcia para o Governo paulista.

As pesquisas da semana

Hoje, saem as pesquisas Real Time/Big Data e PoderData. Na sexta, e a vez da XP/Ipespe. Pela primeira vez, sem Doria na lista de candidatos.

Os debates

Lula irá a todos os debates, só a alguns ou a nenhum? E Bolsonaro, que não foi aos debates e ganhou a eleição de 2018? Não se sabe. Mas já há nove debates marcados no primeiro turno. Folha de S.Paulo e UOL farão o seu em 22 de setembro, só pela Internet.

Todos os outros serão por TV, rádio ou ambos. Rompendo a tradição, a Rede Bandeirantes não fará o primeiro: o seu debate é o terceiro, em 14 de agosto. A CNN fará o primeiro, em 6 de agosto, seguida pela Pan, no dia 9. Seguem-se Bandeirantes, 14 de agosto, Rede TV, 2 de setembro, Globo/CBN/Valor, 8 de setembro, TV Aparecida, 13 de setembro, Folha/UOL, 22 de setembro, SBT/O Estado de S. Paulo/Veja/Nova Brasil FM, 24 de setembro, Rede Globo, 29 de setembro.

__________________________________________________________
SIGA-NOS! CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK E NO TWITTER
NO TWITTER:  @ChumboGordo
____________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br
______________________________________________________________________

Leia também...

28.06.2022
Bom mesmo é prever o passado. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 29 DE JUNHO DE 2022

24.06.2022
São coisas nossas. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 26 DE JUNHO DE 2022

21.06.2022
Tinindo as espadas. Para quê? Para nada. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 22 DE JUNHO DE 2022

17.06.2022
Os culpados são os outros. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 19 DE JUNHO DE 2022

Entre em contato