Capa

Diário Grande ABC

Palavras ao vento. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 25 DE SETEMBRO DE 2019

24.09.2019  |  309 visualizações

Imagem relacionada

 

Não é verdade que as palavras de Bolsonaro na ONU tenham formado um discurso com o qual ou sem o qual o mundo seria tal e qual. O mundo o entendeu: quem desconfiava da sua capacidade retórica hoje tem certeza.

O presidente tinha bons argumentos. Aquela queimada que, temia-se, iria incendiar o mundo, em pouco tempo foi contida; nosso Governo, apesar de oficialmente não dar muita importância ao tema, agiu com eficiência. O fogo não era parte da política do Governo: era uma combinação de seca, crimes ambientais, ação ilegal de madeireiros e garimpeiros. O presidente francês ultrapassou a linha dos bons modos (não tão grosseiro quanto Bolsonaro, mas antes dele), tentando ditar normas sobre a Amazônia brasileira sem ouvir o Brasil. Se o alvo não fosse Bolsonaro, a esquerda falaria em colonialismo.

A economia do Brasil não se recuperou, mas há bons projetos de atração de investimentos, a inflação se mantém baixa, os juros oficiais estão na menor taxa da história, o acordo com a União Europeia foi firmado após 20 anos de negociação, reduziu-se o número de mortos pela violência urbana.

OK? Não. O discurso de Bolsonaro foi raso, misturando assuntos, criticando Lula, Venezuela, Cuba – e o Brasil é maior do que isso. No fundo, a mesma confusão que oferece aos adversários das exportações brasileiras e aos interessados nas riquezas da Amazônia os argumentos que usam contra nós.

O discurso foi elaborado por quatro pessoas. Faltou quem o escrevesse.

 Os autores

Quem preparou o discurso de Bolsonaro, segundo a revista Época, foram o general Augusto Heleno, ex-comandante militar da Amazônia, o chanceler Ernesto Araújo, o candidato a embaixador Eduardo Bolsonaro e o assessor internacional Filipe Martins – três deles ligados a Olavo de Carvalho e um, o general Augusto Heleno, que abertamente o ignora. Ao presidente caberia a empolgação do discurso, para que na ONU o vissem como Mito.

E viram: o mito, afinal de contas, é algo que não existe, em geral fruto da imaginação.

 Coisas antigas

Nada contra os mitos e os frutos da imaginação. Em Júlio César, fruto da imaginação de William Shakespeare, há um discurso (o de Marco Antônio à beira do túmulo de César), excepcionalmente brilhante, que poderia ser dito hoje mudando apenas o nome dos mitos. Não há qualquer certeza histórica de que D. Pedro I tenha gritado “Independência ou Morte” no 7 de setembro, mas a frase, embora provavelmente um mito, sobrevive. E, trazendo os fatos para dias recentes – quase os dias de hoje – De Gaulle nunca disse que o Brasil não era um país sério. Mas a frase ficou. Um mito de longa duração.

 ...cada vez aumenta mais

Comentaristas estrangeiros fizeram pesadas restrições ao discurso. Mas houve quem gostasse: o ministro da Justiça, Sergio Moro, por exemplo. E o vice-presidente Hamilton Mourão.  E o chanceler Ernesto Araújo, no Twitter: compartilhou o discurso e fez um comentário que comprova ter participado de sua redação. “A verdade da soberania é a soberania da verdade”.

 A boa solução

E pensar que o Brasil já teve ótimos autores de discursos presidenciais! Os discursos de Getúlio eram escritos por Lourival Fontes. E é de Maciel Filho, provavelmente, o “saio da vida para entrar na História”. Juscelino tinha Augusto Frederico Schmidt. Não basta a um discurso trazer bons argumentos: é preciso que estes argumentos convençam a plateia. E não foi o efeito obtido pelo discurso de Bolsonaro. Só converteu os já convertidos.

 A ONU de sempre

A ONU é gigantesca, caríssima, tem orçamento lhe permite contratar quem quiser, autossuficiente a ponto de entregar Direitos Humanos a ditaduras e a ignorar críticas. E não sabe quem é o presidente do Brasil, um dos países que a fundaram e que abre a Assembleia Geral. Clique https://www.un.org/en/ga/info/meetings/73schedule.shtml, 25 de setembro: “Tuesday, 25 September, 9:00 a.m. to 2:45 p.m. General Assembly Hall.

Lá está o nome do presidente do Brasil, para eles: “Michel Temer”.

 Cai fora!

O Governo do Rio de Janeiro decidiu tomar providências para evitar que se repitam fatos como o assassínio da menina Agatha Felix, de 8 anos, vítima de tiroteio. E quais são as providências?

É verdade, verdade verdadeira: estão preparando uma cartilha para que os moradores de favelas saibam como agir durante operações policiais. A cartilha deve ser lançada ainda neste ano. E, logo após o lançamento, o governador Wilson Witzel promete “intensificar o confronto com criminosos”. A cartilha, no fundo, poderia se resumir a um só conselho: “Cai fora!” Evitará aquela inevitável batalha sobre concorrência e preços. E provavelmente será a mais eficiente providência do Governo. Pois só neste ano, outras quatro crianças, além de Agatha, foram mortas por tiros em áreas de confronto. E em nenhum caso o atirador foi identificado.

_____________________________________________________________

CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (WWW.CHUMBOGORDO.COM.BR)

___________________________________________________

COMENTE:

carlos@brickmann.com.br
Twitter: @CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

Leia também...

15.10.2019
A guerra sem vencedores. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 16 DE OUTUBRO DE 2019

11.10.2019
Os devotos do luxo. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 13 DE OUTUBRO DE 2019

08.10.2019
Dezenas de milhões em ação. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 9 DE OUTUBRO DE 2019

04.10.2019
Sonhar um sonho impossível. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 6 DE OUTUBRO DE 2019

Entre em contato