Capa

Diário Grande ABC

A hora do terno marrom. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 5 DE JANEIRO DE 2020

03.01.2020  |  279 visualizações

 

Resultado de imagem para tERNO MARROM

 

 Diz a lenda que o navio de um grande comandante foi atacado por grande número de piratas. Antes do início da luta, pediu que lhe trouxessem calças vermelhas. Vestiu-as e logo aniquilou os piratas. Alguns dias depois, navios pesadamente armados o cercaram. Pediu as calças vermelhas e destruiu os inimigos. Um alto funcionário do Governo perguntou-lhe por que as calças vermelhas. Simples: os marinheiros, disse o comandante, confiavam em suas ordens. Se fosse ferido, a calça vermelha ocultaria o sangue e os marinheiros não se assustariam. Mais algum tempo, surgiram frotas e frotas de piratas armados com o que havia de mais moderno. O comandante, tranquilo, pediu: “Tragam-me as calças marrons”.

O ataque americano que matou Kassem Suleimani, o comandante militar mais importante do Irã, responsável pelas tropas iranianas e as subordinadas a elas espalhadas pela Síria, Iêmen, Gaza, Iraque e Líbano, é um sinal de que chegou a hora, para quem lida com economia, de usar calças marrons. Não que o Irã tenha condições de desafiar o poderio militar americano, nem que possa revidar com um atentado de igual importância. Mas pode atrapalhar o fluxo mundial de petróleo, bloqueando o Estreito de Ormuz (o que tem condições de fazer afundando navios). A área por onde passam de 30 a 40% do tráfego marítimo de petróleo, tem 10 km de largura. O prejuízo econômico é grande. Mas perde-se tempo e dinheiro, não vidas.

Guerra por procuração

O Irã – e essas ações eram controladas por Kassem Suleimani – já estava no ataque há tempos. Os houthis, iemenitas armados, financiados e controlados pelo Irã, bombardearam a maior refinaria do mundo, na Arábia Saudita. Os sauditas bombardearam os houthis, no Iêmen – sem atingir o Irã. Em maio último, quatro petroleiros ancorados foram atingidos por minas de contato. Em junho, os petroleiros Front Altair, norueguês, e Kokuka Courageous, japonês, foram alvejados, sem afundar, mas com grandes danos. Tudo indicava a responsabilidade do Irã, mas não houve represálias. Há dias, as milícias iraquianas de Abu Mahdi al-Muhandis, obediente a Suleimani, atacaram a Embaixada americana em Bagdá e foram repelidos após duros combates. Trump avisou que haveria represália. E houve.

 O alvo do drone

O general Kassem Suleiman dirigia a Guarda Revolucionária Al Quds, tropa de elite iraniana, encarregada, entre outras coisas, de vigiar a fidelidade do Exército. Tinha verbas secretas, com as quais manteve a fidelidade de tropas estrangeiras a serviço do Irã. No Líbano, colocou o Hezbollah no jogo político, apoiado em tropas bem armadas. Trabalhava com xiitas, vertente do islamismo que é maioria no Irã e no Iraque, mas também com sunitas no Hamas e alawitas na Síria. Aliou-se aos turcos sunitas, inimigos dos alawitas sírios, mantendo-se bem com todos. Guerreou o Estado Islâmico, sunita, ao lado dos Estados Unidos. Por suas características, será difícil substituí-lo.

Matando o inimigo

Pelas leis da guerra, matar um inimigo é legítimo. Escolher um inimigo para matar equivale a assassínio – a menos que o inimigo escolhido tenha papel-chave na guerra. Quando os americanos decifraram o código japonês na Segunda Guerra Mundial, consideraram legítimo matar Yamamoto, o almirante que comandou o ataque a Pearl Harbour (envolvendo o Japão na Segunda Guerra Mundial), por considerar que o Japão não tinha ninguém à altura para substituí-lo. Quando o presidente egípcio Nasser recrutou cientistas para desenvolver foguetes que aniquilassem Israel, os israelenses os consideraram alvos legítimos. No caso EUA-Irã, há uma dificuldade adicional: tecnicamente, os dois países não estão em guerra. Mas há uma questão de fato: quem condenaria e puniria o presidente americano?

 O preço do combustível

Bolsonaro disse que o ataque deve afetar o preço dos combustíveis. Tem razão: o bloqueio no fluxo causa problemas. E o Irã, embora vendedor clandestino (os grandes países não compram dele, temendo o embargo americano), tem sua importância: se não fizer vendas clandestinas, será o petróleo disponível no mercado que irá abastecer seus clientes. Por quanto tempo? Depende: o bloqueio de Ormuz por navios afundados vai dar trabalho, exigir tempo – e, eventualmente, escolta armada para impedir que os iranianos atrapalhem a desobstrução. Quanto antes terminar a crise, mais cedo terminarão seus efeitos sobre a produção e o fluxo do petróleo.

 A situação

Como ficarão as bolsas? Em princípio, devem cair. O petróleo, já no início do pregão de sexta-feira, tinha subido 4%. Para o Brasil, há ainda mais problemas, além da queda nas bolsas e na alta do petróleo. Qualquer crise é ruim para as exportações.

E só para o Irã o Brasil exporta pouco menos de US$ 3 bilhões anuais. Não é muito, no total de exportações, mas é dinheiro.

______________________________________
CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
______________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (WWW.CHUMBOGORDO.COM.BR)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:
@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

Leia também...

21.02.2020
Tudo tem seu nome certo. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 23 DE FEVEREIRO DE 2020

18.02.2020
E no entanto é preciso cantar. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 19 DE FEVEREIRO DE 2020

15.02.2020
Por que não te calas? Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 16 DE FEVEREIRO DE 2020

11.02.2020
Deixa as águas rolar. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 12 DE FEVEREIRO DE 2020

Entre em contato