Capa

Diário Grande ABC

Feliz 2022! Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 3 DE JANEIRO DE 2021

01.01.2021  |  251 visualizações

Claro, 2021 carrega um fardo: vamos levar o ano inteiro vacinando gente, a economia sobe aos poucos, é preciso tirar o ranço de 2020. Mas o início do ano é ruim: um juiz de primeira instância trata decisão do Supremo como se fosse um pedido (e o rejeita!), descobre-se que a casa onde ocorreu uma das mais covídicas festas de Réveillon do Rio, com dois mil candidatos ao vírus, é da Prefeitura da cidade, ficamos sabendo que um caríssimo radar comprado para monitorar o desmatamento da Amazônia é não apenas desaconselhado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE, por não ser adequado, como já existe na União Europeia uma rede desse tipo à qual o Brasil tem acesso permanente e gratuito. Pelo menos descobrimos a razão de um outro mistério: qual a função do Astronauta no Ministério. Além de descobrir vermicidas anti-Covid, recomenda compras como essa do satélite de R$ 175 milhões. O ministro da Ciência e Tecnologia vive no mundo da Lua.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, PSDB, assinou resolução em que aumenta o próprio salário em pouco mais de 40%. Com isso elevou o salário de vereadores e de servidores municipais que acompanham os ganhos do prefeito. OK? O salário-mínimo também sobe hoje. Vai a R$ 1.100,00, com reajuste de 5,26%. A recomendação: não é para quem ganha salário-mínimo sair por aí gastando que nem doido. Precisa reservar um pouquinho para o aluguel. Os aluguéis que venceram em dezembro podem subir 23%, talkey?

 Quem manda?

O ministro do Supremo Ricardo Lewandowski determinou o acesso às mensagens hackeadas obtidas pela Operação Spoofing referentes a Lula à defesa do ex-presidente. Importante: não é questão de gostar ou não de Lula, de achá-lo ou não culpado, seja lá o que for. É questão jurídica: usam-se contra Lula informações desconhecidas de sua defesa e cuja autenticidade é passível de discussão. Importante, também: ministro do Supremo não pede nada a instâncias inferiores. Ele manda, ordena, determina, e cabe aos juízes de outras instâncias apenas tomar providências para que as ordens sejam cumpridas. Mas o juiz plantonista da 10ª Vara Federal de Brasília, em vez de carimbar o “cumpra-se” e talvez dar conhecimento da ordem ao MP, mandou primeiro ouvir o MPF e atendeu à opinião dos procuradores, de que durante os feriados não seria possível tomar medidas de segurança para liberar as mensagens. A ordem foi repetida por Lewandowski, mas a defesa ficou mais tempo privada de saber o que havia por lá.

 Vem bomba

Mas, demore ou não, é questão explosiva. As mensagens foram hackeadas do celular do então juiz Sérgio Moro na Operação Vaza Jato. A defesa quer utilizá-las como prova de que o juiz agiu com parcialidade ao condenar Lula. Se essas provas influírem na decisão do STF sobre os pedidos de suspeição de Moro, as condenações de Lula desaparecem – e ele pode se candidatar à Presidência em 2022.

Muda o quadro político. Talvez se repita o quadro de polarização Bolsonaro x Lula, o que é bom para ambos e dificulta muito os caminhos do centro político. Qual a tendência do Supremo, sem adivinhar? Houve há pouco um julgamento parecido: o STF, há menos de seis meses, julgou que Moro foi parcial no julgamento do doleiro Paulo Roberto Krug, considerando que agiu como colaborador do Ministério Público (ajudando até a produzir provas) e não como juiz. É a mesma tese da defesa de Lula.

 O avesso do avesso do avesso

A vitória de Lula é, ao mesmo tempo, a vitória de Bolsonaro. Para ambos, o melhor quadro em 2022 é a eleição polarizada, Coxinhas x Mortadelas. E um ganho adicional para Bolsonaro: decisões em favor de Lula tendem a se repetir nos casos de Flávio Bolsonaro, até agora o fardo do presidente. Nos dois casos, há dinheiro de origem suspeita e compra suspeita de imóveis.

 Recordando

Lula tem hoje duas condenações (triplex do Guarujá e sítio de Atibaia), mais duas denúncias da Lava Jato (Curitiba), quatro ações na Justiça Federal (Brasília), e uma ação na Justiça Federal (São Paulo).

 Ladrões são os outros

A resposta veio num live no Facebook: comentando a prêmio que lhe foi outorgado por um consórcio internacional de jornalistas, de Pessoa Corrupta do Ano, atacou a imprensa e a Rede Globo e garantiu que não há corrupção em seu Governo. O prêmio foi-lhe concedido pelo Organized Crime and Corruption Reporting Project (OCCRP), formado por jornalistas e centros de mídia independentes. Bolsonaro lembrou a delação do doleiro Dario Messer, na qual diz ter repassado alguns milhões de dólares para a família Marinho, dona da Rede Globo (a Globo nega as acusações). Disse também que em seu Governo não há corrupção e a Polícia Federal é independente.

Falta perguntar por que a Abin colaborou com a defesa de seu filho Flávio. Mas sem entrevista fica difícil fazer perguntas. A live é mais discreta.

_______________________________________________________

CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
______________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

Leia também...

23.02.2021
A história real. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 24 DE FEVEREIRO DE 2021

19.02.2021
Boi bravo mas está na cerca. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 21 DE FEVEREIRO DE 2021

16.02.2021
Candidato para que? Para nada. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2021

12.02.2021
Este país é um espeto. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 14 DE FEVEREIRO DE 2021

Entre em contato