Capa

Diário Grande ABC

O buraco é mais à frente. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 31 DE JANEIRO DE 2021

29.01.2021  |  272 visualizações

buraco

O presidente Bolsonaro pensa que seu maior problema é o Congresso. Não é: tudo o que pode ser resolvido com dinheiro não é problema, é custo. Sim, está sendo caro: evitar impeachment, evitar CPIs, o investimento é alto mesmo. Mas não é um problema. Para evitar o constrangimento de levar uma proposta indecente a um parlamentar decente, o Brasil criou uma novidade tecnológica: a turma disposta a ouvir os argumentos do Poder Executivo – e, ao menos em um caso famoso, de até entubá-los – usa código de barras em local visível. Facilita o diálogo, evita incompreensões, não se perde tempo.

Mas o maior problema não é o Congresso (nem é o Congresso a solução). A turma do código de barras quer é levar vantagem em tudo. E, se já foram pagos, qual o problema de mudar de posição? Trair e coçar é só começar.

O grande problema do presidente Bolsonaro é um grupo de trabalhadores que já acreditou nele: os caminhoneiros. Como já acreditaram (e já levaram um pé no pazuello), conversar com eles é difícil. Talvez não aconteça nada, pois não há cúpulas que os comandem; mas, se acontecer, os caminhoneiros programaram sua parada para esta segunda-feira. Se não pararem, Bolsonaro poderá continuar pensando o tempo todo no governador João Doria. Mas, se houver paralisação, todo o país terá problemas sérios. Bolsonaro também.

Boa parte das mercadorias viaja de caminhão. Uma greve derruba o abastecimento. Vai faltar até leite condensado para o pão de Sua Excelência.

 Os problemas

Os caminhoneiros usam caminhões caros, para transportar mercadorias pesadas a longa distância. A prestação dos caminhões é alta. Há concorrência pesada. É difícil suportar o aumento do Diesel sempre que houver interesse da Petrobras. É difícil pagar pneus, feitos com matéria-prima importada, com a alta do dólar. Nesta semana o Diesel teve novo reajuste, 4,4%. E 2021 teve aumentos pesados de combustíveis, um atrás do outro. Bolsonaro comenta que vai atenuar a alta do Diesel reduzindo o PIS/Cofins. Mas na última greve essas promessas foram feitas e o Governo se esqueceu de cumpri-las.

 O problemão

O maior problema, entretanto, não está nem equacionado: é o projeto que permite a navios estrangeiros fazer navegação de cabotagem (chama-se BR do Mar). O armador estrangeiro poderá levar seus navios de porto em porto (o que hoje é proibido), usando o porão vazio para transportar mercadoria. Para os caminhoneiros e seus caminhões pesados, sobrará a retirada dos produtos do porto, para levá-los ao depósito.

Será a destruição de uma categoria. E o desmonte, em benefício de estrangeiros, do esquema de transporte do país, sem que se tenha sequer estudado o que fazer.

 Capitão Moçanaro

O Governo gastou com guloseimas, em 2020, mais ou menos do que em 2019? O leite condensado nem é tanto assim, considerando-se que é para a tropa toda? O vinho será também para a tropa? Quem acusa é esquerdista?

Besteira: nada disso tem a menor importância. O importante é saber quanto foi pago pelas mercadorias. Superfaturamento não é trânsito, onde é importante saber onde ficam esquerda e direita: superfaturamento é crime, ponto. A discussão é bem abordada pelo engenheiro Haroldo Lima, político de esquerda, mas que quer saber o que é importante: quanto custou? Preço de mercado? Mais: quem forneceu? Uma microempresa cujo faturamento não ultrapassa R$ 360 mil por ano? É uma coisa bem esquisitinha. (https://www.chumbogordo.com.br/36867-o-abominavel-exemplo-de-um-mentiroso-e-corrupto-por-haroldo-lima/)

 Sem desperdício

Não esqueçamos que, nessa hora de pandemia, ao menos nessa hora, seria útil economizar um pouco. Auxílio-paletó, auxílio-moradia, duas casas para os presidentes da Câmara e do Senado, automóveis de representação aos montes, penduricalhos livres de impostos, todo mundo fechando os olhos à determinação constitucional do teto de salários – não, não dá para continuar. Por que 513 deputados e 81 senadores, cada um com dezenas de assessores? Se fossem 250 deputados e 54 senadores (dois por Estado, como nos EUA), o Congresso seria mais fraco? O deputado Clodovil apresentou projeto neste sentido – foi para a gaveta, Clodovil morreu, e o projeto na gaveta ficou.

Cada um quer o seu

O jornal O Estado de S. Paulo conseguiu acesso a uma planilha sobre o andamento das eleições no Congresso. O Governo (interessado na vitória do deputado Arthur Lira e do senador Rodrigues Pacheco) destinou R$ 3 bilhões para 250 deputados e 35 senadores aplicarem em obras nos seus redutos. O dinheiro, diz o Estadão, saiu do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Mas isso não quer dizer que o Governo não esteja economizando. Não quis, por exemplo, pagar o preço das vacinas da Pfizer. Achou-as caras.

Talvez espere uma liquidação para comprar as vacinas que tenham sobrado.

___________________________________________________

CURTA E ACOMPANHE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK
______________________________________________________________
ASSINE NOSSA NEWSLETTER NO SITE CHUMBOGORDO (www.chumbogordo.com.br)
___________________________________________________
COMENTE:
carlos@brickmann.com.br
Twitter:@CarlosBrickmann
www.brickmann.com.br

Leia também...

23.02.2021
A história real. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 24 DE FEVEREIRO DE 2021

19.02.2021
Boi bravo mas está na cerca. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 21 DE FEVEREIRO DE 2021

16.02.2021
Candidato para que? Para nada. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE QUARTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2021

12.02.2021
Este país é um espeto. Coluna Carlos Brickmann

EDIÇÃO DOS JORNAIS DE DOMINGO, 14 DE FEVEREIRO DE 2021

Entre em contato