Capa

Perigo, perigo. O XYZ da questão. Por Marli Gonçalves

12.04.2024  |  320 visualizações

"Perigo, perigo", sairia dizendo o robozinho de Perdidos no Espaço, nervoso, se balançando agitado, correndo pelo mundo todo.  Alertas laranjas, de risco alto, nos céus. Se possível, alerta que deveria já estar apitando nos celulares das pessoas de bem do planeta.

perigo, perigo

Eles estão entre nós. Não, não são alienígenas, pelo menos a princípio, mas pessoas de carne e osso que estão se agrupando em todo o mundo num perigoso movimento de tomada de poder para a qual não medem esforços nem violentas formas de ação, entre elas, guerras sangrentas, bravatas, mentiras deslavadas, ódio, derrubada de líderes para a ascensão de seus ícones, ataques às conquistas e liberdades individuais. Não é necessário microscópio algum para avistá-los. São bem visíveis, até histriônicos, você já os está vendo em toda parte. Agem como se fossem legais, fazem de um tudo para que se saiba deles. Mas olhe bem, perceba o quão de estranho há em seus atos. Alguns já estão aí. Outros surgem do nada. Quando os percebemos já se desenvolveram e criaram tentáculos. Procriam rápido.

A lista é grande. O XYZ da questão é muito mais que este estranho Elon Musk, que agora sobrevoa o Brasil fazendo amigos, ou a cabeleira do Milei e do Trump. O bigodinho de um, a barba de outro coberto em trajes religiosos e armados até os dentes; esta família boba com ficha corrida daqui é só uma pontinha. Há outras se perenizando, o que talvez até explique a falta de reações adequadas e na hora devida. A coisa é internacional. Ocidente e Oriente. O cerco se fechando. O dinheiro, na frente. O moralismo, na rabeira. O poder como alvo.

Percebemos que não tem bonzinho nenhum, e tomara que antes que seja tarde demais como várias vezes dramaticamente ocorreu no século passado. Agora as armas são outras, e nos usam, somos parte delas na vida digital. Nela acrescentam robôs para alastrarem os seus esforços, exércitos invisíveis, que nada tem de bonitos, de engraçadinhos, muito menos inteligentes, embora artificiais - são humanos que os alimentam e guiam em máquinas.

Usam, principalmente, para sua expansão, as mentes jovens e ainda não formadas na vida, aproveitam sua inexperiência e desinformação da História. Apelam ainda aos mais velhos e rançosos que internamente por toda a vida não admitiram os avanços e agora imaginam que antes de morrer podem deixar o mundo no atraso que gostariam. Conseguem nos dividir em tudo que é tema que entre em discussão. Divididos, somos mais fracos, mais propensos à dominação.

Apelam para o que entendem como liberdade, e uma tal democracia deles, e muito longe do que é mesmo, democracia esta que em vários lugares e situações está atacada perigosamente. Na primeira oportunidade que conseguem, são os primeiros a cancelá-la: a liberdade de expressão que defendem, não se enganem, é só a deles, desses grupos que se juntam como vírus ou bactérias, e que mantidas as condições, criam a epidemia sem controle que nos afetará – e às próximas gerações - severamente.

Firmam-se no momento à direita - e à esquerda – em duelos, como se combates existissem, sendo que ambos estão no mesmo caminho onde, como numa balança, se alternam. É preciso denunciar todas as formações. O alerta de perigo é mais sério do que as bobagens locais que alimentam os comentaristas no dia a dia. Esqueça a pendenga, os peixes pequenos diante da organização que se avoluma aproveitando a nossa fragilidade e a pequeneza. São ousados, querem ser extremos: usam Deus, as religiões, suas canetas e fortunas, e até o espaço sideral, mesmo que entre eles há ainda quem acredite que a Terra seja plana, e como se fosse a pista do aeroporto daqui partam foguetes para colonizar o espaço. De um lado, o Estado é tudo; de outro, não é nada.

Não podemos nos distrair. Eles estão entre nós, muito próximos, em busca de cooptar mais corações, mentes e até almas, como se vê na violência crescente, espalhada, cruel. É realidade. Não é filme ou série. Não é caso para um herói ou salvador das pátrias.

As pátrias somos nós, os terrenos que pisamos com os nossos pés nesses tempos duros.

_____

marli goMARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon). Vive em São Paulo, Capital.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
No Twitter: @marligo
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves