Capa

Não tô bege e Madonna para dar e vender. Por Marli Gonçalves

03.05.2024  |  70 visualizações

Tudo bege, tudo nude, tudo nada. Tudo neutro. Mais uma vez uma onda para todo mundo parecer nada, e o “nada” tentando parecer como chique. Uma irritante tendência de neutralidade quando o que mais precisamos é de cores, significados, criatividade, personalidade, opinião, protestos, fazer alguma diferença.

bege

No meio de tantas tragédias, como a das destruidoras enchentes que assistimos no Sul do país e as outras tantas de nosso cotidiano nacional, imaginem o quão difícil é escrever sobre outros temas mais, digamos, diferentes. Mas de longe, individualmente - a não ser expressar total solidariedade e preocupação – pouco se pode fazer a não ser lamentar como tragédias anunciadas vão e vem, também em ondas, e pouco se age sobre elas, para evitá-las, no meio tempo. As grandes mudanças climáticas berram na porta do planeta.

É preciso agir, opinião. Mas o mundo, do meu ponto de vista, está tentando ficar bege, seguindo a moda que invade as vitrines e ruas e que transformará, se sucesso tiver, todo mundo em robôs amorfos, sem cor, sem luz, neutros, quase transparentes, sem graça. Tudo vendido como moderno, natural, sofisticado, sereno, como se esse momento do século fosse tudo isso. Pudesse ser assim. Bom se o nude fossem corpos nus, realmente livres.

Tô bege. A expressão, usada para exprimir surpresa ou ficar admirado por algo, sempre me pareceu estranha. Melhor seria outra cor. Um rubor, mais para o vermelho. Imposta pela indústria como “o novo branco”, ou “novo preto”, o bege é o novo nada, em suas variações de nada. Nesses dias de absoluta apoteose pela apresentação de Madonna nas areias de Copacabana, de bege por lá – espera-se - o mais próximo vai ser a areia. Lembrando que o dourado não é bege, claro, porque brilhos ali não faltarão, e o pop de sua rainha é todo bem colorido em figurinos, shows e luzes. Em propostas.

O Brasil, de um lado penalizado pela destruição especialmente no Rio Grande do Sul, de outro está mesmo alucinado com a apresentação espetacular de Madonna no Rio de Janeiro, praticamente dividindo o noticiário em todos os setores, além do musical, o econômico, social, turístico. Madonna para dar e vender, grátis para a população que acredita mesmo nisso, patrocinada por apoio de governo (e pinceladas eleitorais) e por um grande banco, e bem aproveitada para seus grandes negócios, inclusive no Hotel Copacabana Palace onde a trupe está hospedada, com estrangeiros fechando ali seus gordos negócios.

O bom é que nosso criativo povo também está fazendo a festa, e essa é bem colorida, com o turismo, ganhando algum com a venda de todo o tipo de objetos, com destaque para o uso das cores do arco-íris, nas bandeiras, nos “flaps” dos enormes leques, e mostrando a nossa verdadeira face e diversidade racial e de gênero em apresentações performáticas de todas as idades, afinal a musa comemora aqui o final de sua turnê de 40 anos de uma carreira gloriosa onde sempre esteve adiante do tempo e dos principais temas polêmicos dos quais nunca se esquivou. Ao contrário, os apresentou e garantiu inclusive que ela, hoje aos 65 anos, seja também um ícone contra o etarismo árduo e especialmente enfrentado por todas as mulheres. Nascida em 1958, assim como eu, sobrevivendo como camaleoa, e como diz a propaganda, ainda, pelos próximos 100 anos.

Saracoteando na cabeça dos beges. Dos neutros.

_____

marli goMARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon). Vive em São Paulo, Capital.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
No Twitter: @marligo
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves