Capa

Quero gente! Por Marli Gonçalves

19.04.2024  |  84 visualizações

Quero gente de novo no atendimento das empresas, pelo menos um pouquinho, alguém que possa compreender o mínimo quando mais delas precisamos de alguma resposta ou posição, ou que entenda uma reclamação. Praticamente não conseguimos falar com mais ninguém de carne e osso, tudo é máquina, respostas prontas, frias e comuns, alternativas que quase nunca são as que precisamos. Tá bem difícil essa vida digital.

gente -

Não me matem, mas ando tendo saudade até do gerúndio pavoroso das mocinhas do telemarketing, daquela dificuldade de escutá-las no meio dos ruídos de conversas, do “vamos estar vendo”, “vamos estar ligando”.  Não sei vocês, mas estou bem preocupada porque quase não há mais formas de contato real, o famoso telefone, aquele numerozinho fixo - lembram?  Fazia trim trim – e a gente podia tirar uma dúvida rápida, falar com algum filho de Deus na hora do aperto.

E olha que eu conheço um pouquinho dessas coisas de computador, de acesso, de senhas para todos os lados que nos deixam doidos. Fico imaginando a dificuldade que mais pessoas devem ter ao lidar com essas inovações tecnológicas. Pela idade, pela visão, pelo conhecimento, pelo telefone celular antigo, tudo, até pelo fato de ter ou não internet. Lembro bem quando se dizia “... Ah, mas todos tem carro!...”. Nananinanão. Nem todos. E o acesso é caro.

Você pagou a conta, mas é quem tem de provar isso. Já tentaram? Enel, Comgás, falar com as robozetes, atendentes virtuais? Chamam chatbots. Ah, serviços públicos, operadoras. Protocolos infinitos. Orientações de contatar e-mails e números que não existem, ou que te deixam em looping, mandando você ligar para o que te mandou ligar lá. Prefeitura? Você até consegue denunciar, mas no que deu? Fora os 60 dias pedidos quando a providência era para ontem. Exemplos não faltam. Já estou até vendo você também fazendo a lista das vezes que também quis esganar os robozinhos mal treinados. E trucidar a empresa.

Claro que há empresas que funcionam bem nesse meio, como um reloginho. Posso até citar uma: a Porto Seguro. Tudo bem registrado. Que assim seja mantida. Mas que é uma raridade todos hão de concordar.

Para vocês verem, fui comprar ingressos em um desses aplicativos contratados pelas produtoras, que mataram as bilheterias. Ok. Preço, tanto. Todos os dados preenchidos. Ah, que bom, pode dividir em parcelas, até 12 vezes – está caro para burro, gente, mesmo a meia entrada para os idosos bem salgada, porque compensam no preço cheio. Pois bem. Tudo certo, consigo chegar ao final e o preço... subiu! Apareceu uma taxa, sem qualquer explicação, uma vez que até isso, os ingressos, agora são digitais, ninguém tem que imprimir, entregar nada em sua casa. Vasculhei e não consegui qualquer contato que pudesse explicar que raio de taxa era aquela: de sentar na poltrona? Ah, e sobre o parcelamento, nem conto os juros cobrados. Quem paga nas tais 12 vezes vai lamentar isso o ano todo. Comprei, em duas vezes, porque quero mesmo assistir esta peça, e para isso fiz uma coisa que, como geminiana, tenho enorme dificuldade: a antecedência. Nem penso em programar minha própria festa de aniversário. Não sei se no dia vou poder ir, ou mesmo se vou querer ir!

Estamos reféns dessa vida digital, e dos ataques cibernéticos, e golpes que não param, e não consigo deixar de imaginar esses novos ladrões virtuais roubando sentadinhos de casa, sem perigos, bebendo uma. Conto mais de dúzia de tentativas diárias por aqui – precisa ficar sempre com as orelhas em pé. Alerta.

A tal Inteligência Artificial, IA, AI, é a nova panaceia. Não andam pensando até em usá-la para pensar livros didáticos? Nem consigo imaginar o que isso vai dar. Mas, pior, é ela que agora guia guerras. Que comanda os drones e mísseis que viajam milhares de quilômetros para matar e destruir. Mas sabe-se lá se os humanos que os orientaram deram endereço certo. E se der bug? Cair a rede de controle? Fica sempre a dúvida.

_____

marli go - MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon). Vive em São Paulo, Capital.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
No Twitter: @marligo
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves